terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Se não está me fazendo bem, então vaza...


(by Cinthya)

"Você é a primeira pessoa que conheço que toma uma decisão séria, tipo casar ou ter filho, e só depois é que escolhe a contraparte da história!"

Recebi essas palavras hoje, vindas de um grande ex (?) amor, num e-mail em resposta à minha afirmação de que casarei em 2011, mas ainda não sei com quem.

Ele sempre se surpreende comigo porque diz que tamanha determinação e autenticidade não existe em outra pessoa.

Bom, não sei se é assim, mas sou determinada mesmo no que quero. Não vejo porque ficar fazendo mil e um arrodeios se podemos ir direto no assunto. Pra que ficar enganando a nós mesmos com mentiras se bem sabemos o que anseia a nossa alma?

Se percebo que esse ou aquele relacionamento não está me fazendo bem, é muito simples, escrevo um The End e viro a página. Simples assim!

Alguns ex amores já me ouviram dizer que estava partindo simplesmente por sentir que não era mais aquilo que eu queria. Que não estava mais  me sentindo  bem e feliz na relação. Poxa!!! Se eu não estou feliz num relacionamento, vou insistir nele pra quê? Pra me desgastar? Pra desgastar a contraparte? Pra acabar até mesmo o que de bonito criamos?

As pessoas criam uma dependência boba e acreditam que não podem viver sem o namorado, como se ele fosse uma prótese indispensável para seu bem-estar. E baseadas nisso se submetem a histórias pobres, amores sem brilho, fingimentos e sofrimentos. Apenas para dizer: "Tenho alguém!"... Mas será que tem mesmo?

Eu parto do principio de que não nasci apregada em ninguém (nem irmã gêmea eu tenho), então se eu vivi 34 anos sozinha, posso viver mais um pouco, mas prezo pela qualidade de quem vai dividr a cama e a vida comigo. Tem que ser, no mínimo, alguém que me faça sorrir muito, me sentir plena, amparada, apoiada, útil, bela e amada. Alguém que esteja pronto para ter ao seu lado uma mulher que aprendeu a se virar sozinha, mas que traz em si muita vontade de descobrir as deílias de uma união de sucesso.

Eu não tenho medo de arrumar as minhas malas e ir embora, se eu realmente achar que isso é o melhor a ser feito. Para os homens isso é um risco. Para mim, isso consciência do que quero (e do que não quero).

Bem, não sei se existe cara-metade, mas deve haver algum cara que vai me entender, completar e que, ao lado dele, aquela 'bendita' manhã não chegará tão cedo! E é com esse cara que vou casar em 2011.

5 comentários:

Carla disse...

Legal Cinthya,
Também penso assim, só é bom enquanto EU estou feliz, fora isso bye bye ... Se a gente não está bem, como fazer o outro ?

bjs

Mima D. disse...

Muito feliz que alguém pensa como eu... ainda que volta e meia eu me encontre em dilemas razão x emoção, ainda acho que é melhor por um fim antes que a vida a dois vire um eterno conflito.
E fora a parte de casar em 2011, estou de pleno acordo!!
Bjs

so sad disse...

para perder sua liberdade só vale a pena se for por um amor total, aquele que te faz mudar tudo, até o seu jeito de pensar mais radical. se não for assim ...
beijo!

Marisa Passos disse...

Muito bom...adorei! Demorei muito para chegar a esse estágio da vida, achando que um dia ia ser diferente, que nada podemos esperar anos, isso não vai acontecer. Beijos Cinthya.

San disse...

Adorei isso e sou assim tambem se não ta legal ...vaza rrssr bjs Ah ! felicidades na nova empreitada que o principe seja encantador e não encantado e que seja real rrsrs bjs