sexta-feira, 30 de março de 2012

Encalhada???


(by Cinthya)

Ao contrário de muitas amigas que tenho, não cresci ouvindo da minha mãe que eu estava sendo preparada para casar. Ela não nos criou com a intenção e finalidade do casamento, muito pelo contrário, ela sempre incutiu em nós a liberdade de trabalhar, viajar, namorar (e parava por aí).
Ela me ensinou a cozinhar, a lavar louça, roupa, arrumar casa. Desde pequena eu já dominava os afazeres domésticos, mas isso nunca me foi passado como um curso de noiva. Ela sempre dizia que eu deveria saber fazer essas coisas, pois o mundo lá fora era, de carta forma, duro e cruel e que a gente deveria estar preparado para se virar sozinha. E assim eu cresci, pensando em liberdade, pensando em ter minha renda, em poder viajar, curtir a minha vida. Assim como me ensinou a minha mãe.
O reflexo dessa visão é gritante em mim. Ao contrário de muitas amigas que tenho, eu nunca me vi em busca de marido, tendo o casamento como um objetivo, uma finalidade. Não. Comigo nunca foi assim. Os homens que me pediram em casamento sabem a cara de espanto que eu fiz ao ouvir essa “sentença” e sabem também que eu corri deles como o diabo corre da cruz.
Acho engraçado como algumas mulheres falam pra mim sobre seus casamentos de forma a tentar me mostrar que eu sou “aleijada” por não ter um marido e um lar. Como se eu não tivesse um lar e um marido, pelo agravante fato de ser uma mulher incapaz. Incapaz de conquistar um homem e leva-lo ao altar. Incapaz de ter uma aliança dourada no dedo e um sobrenome que me ligasse a um dono.
Mas não é por aí. Eu não cresci alimentando “o sonho” de um casamento. Eu tenho 35 anos e nenhum deles foi dedicado a alimentação desse objetivo. Santo Antônio não teve problemas comigo, pois eu não apelei. Eu sempre quis um filho e tenho um lindo filho. Eu sempre quis viajar, e hoje eu viajo sempre que posso. Tenho liberdade.
Se eu nunca casarei? Não sou adepta a radicalismos (não mais). Hoje, eu me esforço imensamente para alterar algumas coisas em mim, e não ser tão avessa a casamentos é uma delas. Hoje tenho maturidade para entender que nenhum casamento é um mar de rosas contínuo... Um dia rosas, outro dia, espinhos... E é preciso ser um bom jardineiro para que o sucesso desse jardim seja real.
Enfim, Dona Lourdes não criou as filhas para o casamento. Dona Lourdes criou as filhas para a felicidade, para a liberdade, para a plenitude. Se um dia as filhas descobrirem que alguém pode agregar a esse objetivo, então, o casamento será uma consequência... Mas ele nunca foi o objetivo.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Ainda sobre o amor...



Quando se fala em amor, a primeira coisa que me vem à cabeça é PACIÊNCIA.

A pessoa que você ama, tem o mesmo que sangue que você correndo nas veias, mas é totalmente diferente de você. Em temperamento, em opiniões, estilo de vida, ideologia, fé, até o partido político é incompatível. Aí haja paciência pra segurar a barra e jogo de cintura pra lidar com os conflitos. A outra pessoa que você ama, que te pôs no mundo te criou com todas as dificuldades e te deu tudo que um ser humano precisa: bases, estrutura famíliar, caráter, educação, te ensinou o respeito ao próximo e às diferenças. Acima de tudo amor, muito amor. Se vê no meio da celeuma entre as duas proles.

O tempo passa e a gente percebe que as diferenças só acentuam-se cada dia mais, cada vez mais... Você não vê, nem de longe, a possibilidade de encaixe entre pessoas tão diferentes. E os "arranca-rabos" até cessam por um período curto de tempo, mas as dificuldades estão ali, protegidas por uma camada ultra fina e a qualquer momento podem ser expostas de novo. É um clima tenso porque no fundo, no fundo você sabe que a qualquer momento uma nova situação de stress pode começar.

Com a persistência de tanta confusão, tanto stress e tantas situações sem cabimento você percebe que aquela pessoa com quem você briga tanto, não precisa de nada além de muito cuidado. Precisa de ajuda, complacência, condescendência, afeto, estima, carinho, atenção, paciência, benevolência e altruísmo da sua parte. Deixar de ser por você e ser por ela, só por alguns instantes. Você esteve cega o tempo inteiro preocupando-se apenas em se defender, ou atacar, ou criticar o comportamento que destoa dos demais que nem se deu conta de que aquela pessoa está precisando de sua ajuda. Só quer sua atenção.

Nesse momento você se sente um nada, uma pessoa fria, desalmada e egoísta. Esteve na sua frente o tempo inteiro durante tantos anos e você não percebeu. Sequer se deu conta da realidade. Como um estalo, aparece em sua mente: ESSA PESSOA PRECISA DE AJUDA. Aí você pede perdão a Deus por ter reclamado da vida durante tanto tempo e ter fechado os olhos pro óbvio. Logo você, tão sensível para tantas coisas, deixou uma situação tão importante passar batida. Como você pôde não enxergar o que estava tão nítido?

Então, mãos à obra e vamos lá. Buscar ajuda e trazer a paz para um lar que sempre foi tão abençoado.

"Cuide bem do seu amor, seja quem for..."

Verônica

quarta-feira, 28 de março de 2012

Sobre o Amor


(by Cinthya)

Estou eu numa daquelas crises que me acomentem sempre que eu me inquieto em busca de respostas que nunca encontro. É como se um labirinto cruel me impedisse de chegar ao "porquê" tão desejado, tão almejado por mim. É como se essa necessidade de entendimento se tornasse maior que eu. E fui buscar outras visões e outras ideias que pudessem me serenar o coração, que pudessem saciar um pouco essa minha sede de entendimento. Enfim.

Encontrei o Jabor mais uma vez, e ele me falou sobre o amor mais uma vez, e eu li e reli mais uma vez, e mais uma vez compartilho com vocês na certeza de que vocês aproveitarão a leitura da mesma forma que eu aproveitei:

"O amor impossível é o verdadeiro amor

Outro dia escrevi um artigo sobre o amor. Depois, escrevi outro sobre sexo.

Os dois artigos mexeram com a cabeça de pessoas que encontro na rua e que me agarram, dizendo: "Mas... afinal, o que é o amor?" E esperam, de olho muito aberto, uma resposta "profunda". Sei apenas que há um amor mais comum, do dia-a-dia, que é nosso velho conhecido, um amor datado, um amor que muda com as décadas, o amor prático que rege o "eu te amo" ou "não te amo". Eu, branco, classe média, brasileiro, já vi esse amor mudar muito. Quando eu era jovem, nos anos 60/70, o amor era um desejo romântico, um sonho político, contra o sistema, amor da liberdade, a busca de um "desregramento dos sentidos". Depois, nos anos 80/90 foi ficando um amor de consumo, um amor de mercado, uma progressiva apropriação indébita do "outro". O ritmo do tempo acelerou o amor, o dinheiro contabilizou o amor, matando seu mistério impalpável. Hoje, temos controle, sabemos por que "amamos", temos medo de nos perder no amor e fracassar na produção. A cultura americana está criando um "desencantamento" insuportável na vida social. O amor é a recusa desse desencanto. O amor quer o encantamento que os bichos têm, naturalmente.
Por isso, permitam-me hoje ser um falso "profundo" (tratar só de política me mata...) e falar de outro amor, mais metafísico, mais seminal, que transcende as décadas, as modas. Esse amor é como uma demanda da natureza ou, melhor, do nosso exílio da natureza. É um amor quase como um órgão físico que foi perdido. Como escreveu o Ferreira Gullar outro dia, num genial poema publicado sobre a cor azul, que explica indiretamente o que tento falar: o amor é algo "feito um lampejo que surgiu no mundo/ essa cor/ essa mancha/ que a mim chegou/ de detrás de dezenas de milhares de manhãs/ e noites estreladas/ como um puído aceno humano/ mancha azul que carrego comigo como carrego meus cabelos ou uma lesão oculta onde ninguém sabe".

Pois, senhores, esse amor existe dentro de nós como uma fome quase que "celular". Não nasce nem morre das "condições históricas"; é um amor que está entranhado no DNA, no fundo da matéria. É uma pulsão inevitável, quase uma "lesão oculta" dos seres expulsos da natureza. Nós somos o único bicho "de fora", estrangeiro. Os bichos têm esse amor, mas nem sabem.

(Estou sendo "filosófico", mas... tudo bem... não perguntaram?) Esse amor bate em nós como os frêmitos primordiais das células do corpo e como as fusões nucleares das galáxias; esse amor cria em nós a sensação do Ser, que só é perceptível nos breves instantes em que entramos em compasso com o universo. Nosso amor é uma reprodução ampliada da cópula entre o espermatozóide e óvulo se interpenetrando. Por obra do amor, saímos do ventre e queremos voltar, queremos uma "reintegração de posse" de nossa origem celular, indo até a dança primitiva das moléculas. Somos grandes células que querem se re-unir, separados pelo sexo, que as dividiu. ("Sexo" vem de "secare" em latim: separar, cortar.) O amor cria momentos em que temos a sensação de que a "máquina do mundo" ou a máquina da vida se explica, em que tudo parece parar num arrepio, como uma lembrança remota. Como disse Artaud, o louco, sobre a arte (ou o amor) : "A arte não é a imitação da vida. A vida é que é a imitação de algo transcendental com que a arte nos põe em contato." E a arte não é a linguagem do amor? E não falo aqui dos grandes momentos de paixão, dos grandes orgasmos, dos grande beijos - eles podem ser enganosos. Falo de brevíssimos instantes de felicidade sem motivo, de um mistério que subitamente parece revelado. Há, nesse amor, uma clara geometria entre o sentimento e a paisagem, como na poesia de Francis Ponge, quando o cabelo da amada se liga aos pinheiros da floresta ou quando o seu brilho ruivo se une com o sol entre os ramos das árvores ou entre as tranças da mulher amada e tudo parece decifrado. Mas, não se decifra nunca, como a poesia. Como disse alguém: a poesia é um desejo de retorno a uma língua primitiva. O amor também. Melhor dizendo: o amor é essa tentativa de atingir o impossível, se bem que o "impossível" é indesejado hoje em dia; só queremos o controlado, o lógico. O amor anda transgênico, geneticamente modificado, fast love.

Escrevi outro dia que "o amor vive da incompletude e esse vazio justifica a poesia da entrega. Ser impossível é sua grande beleza. Claro que o amor é também feito de egoísmos, de narcisismos mas, ainda assim, ele busca uma grandeza - mesmo no crime de amor há um terrível sonho de plenitude. Amar exige coragem e hoje somos todos covardes".

Mas, o fundo e inexplicável amor acontece quando você "cessa", por brevíssimos instantes. A possessividade cessa e, por segundos, ela fica compassiva. Deixamos o amado ser o que é e o outro é contemplado em sua total solidão. Vemos um gesto frágil, um cabelo molhado, um rosto dormindo, e isso desperta em nós uma espécie de "compaixão" pelo nosso desamparo.

Esperamos do amor essa sensação de eternidade. Queremos nos enganar e achar que haverá juventude para sempre, queremos que haja sentido para a vida, que o mistério da "falha" humana se revele, queremos esquecer, melhor, queremos "não-saber" que vamos morrer, como só os animais não sabem. O amor é uma ilusão sem a qual não podemos viver. Como os relâmpagos, o amor nos liga entre a Terra e o céu. Mas, como souberam os grandes poetas como Cabral e Donne, a plenitude do amor não nos faz virar "anjos", não. O amor não é da ordem do céu, do espírito. O amor é uma demanda da terra, é o profundo desejo de vivermos sem linguagem, sem fala, como os animais em sua paz absoluta. Queremos atingir esse "absoluto", que está na calma felicidade dos animais.

Arnaldo Jabor"

terça-feira, 27 de março de 2012

Minha mãe está no facebook! E agora?



 Está cada vez mais comum a presença das mães nas redes sociais. Comigo não é diferente. Minha mãe é super descolada. tem; msn, orkut, facebook e agora até blog. Olhem só...

Noutro dia, li uma matéria no UOL falando sobre a recorrência de queixas de adolescentes com suas respectivas mãe presentes nas redes sociais. Na matéria era falado também como as mãe curiavam e corujavam seus filhos sem cerimônia alguma, o que, é claro, causa um desconforto ao filho que vira alvo da chacota dos amigos adolescentes.

Sabe aquela cervejinha depois da aula? Pois é, não dá mais pra combinar pelo face, senão já sabe... Na matéria mostrava, inclusive, as mães dando a maior bronca assim em plena rede. Peraí, né mãe?? Sabe aquela balada que você e estava e tá todo mundo comentando? Se você comentar sua mãe vai saber.

A matéria era super engraçada porque algumas demostrações claras de lavação de roupa suja no que deveria ser um lugar de lazer se tornava hilário.

Eu nunca tive problema com isso. Sinceramente! Minha mãe sempre foi adepta da tecnologia e adentrou a era da modernidade de salto alto. Pelo contrário. Sempre a incentivamos. Como usuária das redes sociais ela resolveu agora, usar a tecnologia como ferramenta de trabalho e não apenas como passa tempo, diversão.

Dia desses, falei AQUI de como minha mãe é uma artista talentosa, uma artesã criativa e dedicada. Produz peças lindíssimas e resolveu criar um blog pra expor seu trabalho.

Senhoras e senhores, é com muita honra que apresento-lhes Antonia Monteiro minha mãe! O blog dela ainda está no comecinho, ainda não tem muita coisa, ela ainda está fazendo alguns ajuste, mas já dá pra ver uma mostra do que ela é capaz. Já já ele fica totalmente pronto e lindo!

Manda bronca aí, mainha!!! A senhora é meu orgulho!

Verônica

segunda-feira, 26 de março de 2012

Meu Velho!


(by Cinthya)

Hoje olho pra ele e vejo que o tempo não cessa. Não para pra descansar. O tempo não perde tempo. Hoje o vejo caminhar com tanta dificuldade. O vejo reclamar com tanta facilidade. E a paciência que ele teve comigo um dia, hoje eu tenho com ele.
Meu pai, meu amigo, meu conselheiro, meu grande herói de carne e osso. Um herói que não ensina somente com vitórias... Heróis de verdade ensinam também com derrotas. O dono de palavras sábias que me foram ditas e nunca as esqueci. O dono de um temperamento forte (assim como o meu), de palavras diretas e precisas.
Se eu pudesse o livraria de qualquer dor que ainda sinta. Se eu pudesse o arrancaria desse silêncio que por vezes o acomete. Se eu pudesse implantaria um sorriso em sua face e o deixaria lá, permanentemente, para que ouvisse tudo que tenho pra falar:
Que o senhor é lindo, que o senhor é meu amigo e sempre me salva do naufrágio, que o senhor me ensinou e ensina muito, que o senhor é o maior exemplo de humildade e superação que eu conheço, que tenho muito orgulho do senhor, que fico feliz com sua felicidade, que fico imensamente feliz em saber que o meu filho veio pra iluminar seus dias.
Eu te amo tanto, meu Pai. Feliz Aniversário para o senhor. Feliz aniversário para o meu irmão, seu filho, que veio coroar as nossas vidas bem no dia do seu aniversário. E agora temos 03 Vicentes em casa. O pai, o filho e o neto. Mas o rei, com certeza, é o senhor, Meu Pai! E eu serei sempre uma criança a te olhar admirada e amorosa, a esperar a sua mão pra me dar o apoio que preciso, a enxergar em você o meu herói amado e a desejar profundamente que o tempo corra devagar, para que o inevitável demore a acontecer.


MEU QUERIDO, MEU VELHO, MEU AMIGO
(Roberto Carlos)
Esses seus cabelos brancos, bonitos, esse olhar cansado, profundo
Me dizendo coisas, num grito, me ensinando tanto do mundo...
E esses passos lentos, de agora, caminhando sempre comigo,
Já correram tanto na vida,
Meu querido, meu velho, meu amigo
Sua vida cheia de histórias e essas rugas marcadas pelo tempo,
Lembranças de antigas vitórias ou lágrimas choradas, ao vento...
Sua voz macia me acalma e me diz muito mais do que eu digo
Me calando fundo na alma
Meu querido, meu velho, meu amigo
Seu passado vive presente nas experiências
Contidas nesse coração, consciente da beleza das coisas da vida.
Seu sorriso franco me anima, seu conselho certo me ensina,
Beijo suas mãos e lhe digo
Meu querido, meu velho, meu amigo
Eu já lhe falei de tudo,
Mas tudo isso é pouco
Diante do que sinto...
Olhando seus cabelos, tão bonitos,
Beijo suas mãos e digo
Meu querido, meu velho, meu amigo

sábado, 24 de março de 2012

Definitivo...




Fala, Drummond!
Bom final de semana, povo!!

Verônica



Definitivo

Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções
irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado
do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter
tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que
gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas
as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um
amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os
momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas
angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma
pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um
verso:

Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento,perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional...
Carlos Drummond de Andrade


sexta-feira, 23 de março de 2012

Responde: O Que Te Faz Feliz?


(by Cinthya)

Me diz uma coisa que te faça feliz. Não feliz pra vida toda, a todo instante, até porque acredito que essa condição não se aplique a nós, Humanos, mas que te faça feliz num momento, num instante.
Me fala sobre algo que faz teu sorriso se abrir e iluminar tudo à sua volta, que faz teu rosto se desanuviar e transmitir apenas coisas boas, positivas e alegres. Que suaviza suas linhas de expressão, que serena seu semblante.
Me conta o que é capaz de deixar teus olhos brilhando mais que as estrelas. O que faz teu olhar imergir naquele sentimento tão desejado de realização?
Discorre sobre o que tem capacidade de invadir o teu coração com uma onda mágica de vida, que tem o poder de fazer cada célula de sua formação se sentir viva e parte importante do todo.
O quem tem esse poder sobre você? O que tem o poder de te levar ao paraíso desejado? O que tem o poder de te fazer sentir, de fato, parte importante do universo? O que te dá  sensação de que és, enfim, capaz de ser feliz? Você sabe o que te traz felicidade? Você sabe o que, instantaneamente, faz abrir seu sorriso, serenar seu coração, desanuviar seu semblante e brilhar os seus olhos?
Se você sabe, já está muito adiantado, pois muita gente reclama tanto da vida, reclama tanto de tanta coisa, mas não sabe, na verdade, o que quer e o que, de fato, a faria feliz. Se o gênio da lâmpada surgisse, provavelmente essa pessoa perderia a chance por não saber o que pedir. E, pra quem não sabe o que quer ou aonde quer ir, qualquer coisa e qualquer lugar servem. Passam dias vagando, fazendo de conta, simulando coisas que nunca são reais, que nunca são “sua vida” e o vazio dentro de si, apenas cresce.
E você? Sabe o que te faz feliz?

quinta-feira, 22 de março de 2012

Hoje eu não queria...



Hoje eu não queria ter levantado da cama...

Não queria ter feito todo o ritual que fiz até sair para trabalhar...

Não queria ter enfrentado aquele trânsito horrível de minha casa até aqui...

Não queria estar aqui, sentada de frente pra esse computador escrevendo essas linhas agora...

Não queria, nesse mesmo local que estou, passar o dia resolvendo problemas, liberando clientes, analisando crédito, fazendo procedimentos com cheques, nem nada disso que envolve a minha rotina...

Não queria ir pra faculdade mais tarde assistir duas aulas importantíssimas e igualmente cansativas...

Não queria chegar em casa quase as 23 horas, sabendo que amanhã começa tudo de novo...

Só queria estar em casa, não ter responsabilidades, não ter contas pra pagar, não ter horários a cumprir, prazos a cumprir, metas a bater, provas pra fazer...

Não sei se estou doente, ou é a minha que rotina está puxada demais.
Não sei se estou mole, ou é a vida que anda dura demais.
Não sei se estou me cansando fácil, ou se tenho exigido demais de mim.

Só por hoje,  eu queria passar um dia sossegada e entregue a inércia.
É pedir demais?

Verônica

quarta-feira, 21 de março de 2012

Vou Confessar...


(by Cinthya)

Os meus pais são católicos, aliás, a minha é católica e o meu pai é católico-espírita, muito embora nenhum dos dois viva enfiado na igreja ou no centro espírita. A gente sempre fala em Deus, tenta não transgredir a lei natural das coisas, mas não fomos criados numa cultura de obrigatoriedade de ir às missas, culto, etc...
Enfim, eu nunca sentei em frente ao padre para me confessar. De todos os filhos, só eu fiz a Primeira Comunhão, mas mesmo assim nunca me submeti a uma confissão “cara a cara” com o padre. Eu temia ser condenada a rezar 1.000 de Pai Nossos e 500 Ave Marias, até porque, bem sinceramente falando, não acho que isso funcionaria como perdão divino.
Crescendo eu entendi que a gente, mesmo sem confessar os pecados a um padre ou a um pastor, presta contas do que fez e do que faz.  E se a gente desenvolve essa consciência, conseguiria perceber quando a prestação de contas chega, e pagaria embora não muito feliz, sabendo que o débito foi, de fato, adquirido.
Então eu preciso confessar umas coisas que eu fiz e que sei que me serão cobradas mais tarde e caso eu venha a me perguntar: “Oh, Deus, não entendo por que estou passando por isso.” Vocês, por favor, reforcem a minha memória. Vamos lá:
- Eu não paguei o lanche que fiz na lanchonete que ficava ao lado da escola Cerú em Araripina, há uns 24 anos atrás.
- Eu não devolvi o CD do Flamengo que peguei emprestado com o Josafá Carvalho (O Poeta) há uns 12 anos atrás, bem como outro CD de Zezé Di Camargo.
- Fui eu quem bebeu o Toddynho do Pablo e encheu a caixinha de água e a colocou de volta na geladeira com lacre e tudo o mais (um trabalho artesanal).
- Eu não paguei a camisa do Pernalonga que a Verônica Monteiro (minha Parça) comprou no cartão dela, há uns 9 ou 10 anos atrás.
- Também fui eu quem ligou pro Dayvison perguntando o que eu deveria levar para a festa surpresa que estavam preparando pra ele (dessa a Parça já deve ter me perdoado).
- Eu comi os chocolates e os panetones que sobraram das cestas básicas de determinada empresa na qual eu trabalhei há uns 05 anos atrás.
- Eu e mais 02 amigos, em horário de trabalho, paramos escondidos numa lanchonete pra tomar um açaí que, inclusive, nos causou uma dor danada nas costas, pois tínhamos que ficar quase deitados sobre a mesa para que ninguém nos visse. Fato ocorrido há uns 03 anos atrás.
- Fui eu quem escreveu: “MIJO” na garrafinha de água do Ueldes (colega de trabalho) há 10 dias atrás.
Enfim, será que obterei perdão?

terça-feira, 20 de março de 2012

Homem Kinder Ovo



Dias desses estava conversando com uma amiga e ouvindo suas queixas sobre o sexo oposto. Ela me contando que estava farta de conhecer "Homem Kinder Ovo".

Fiquei curiosa porque nunca tinha ouvido essa expressão e então ela foi me explicar que homem kinder ovo é aquele que sempre vem com uma surpresinha. Achei fantástica a definição. Por experiência própria e por analisar as experiências de pessoas próximas a mim, pude perceber que homem que vem com uma surpresinha tem aos montes por aí.

Sabe aquele cara lindo, que tem um papo super agrádavel que foi transferido recentemente pra cá e que você conheceu num happy hour com as meninas do escritório? Pois é, ele tem uma namorada há anos na cidade natal dele. Planejam casar e tudo.

Aquele outro que parece o Richard Gere e tem uma inteligência fascinante, ao contrário do que afirmou, não é recém divorciado, tem uma mulher bacana e uma penca de filhos.

Aquele Johnny Depp brasileiro que você conheceu na academia e engatou um namoro intenso é ciumento e antissocial.

O outro que parecia ser perfeito, tem problemas de (falta) de higiene e ronca. (ninguém merece).

Uma amiga me contou que namorava um cara lindo, bacana, dedicado e bem-humorado, mas ela terminou o namoro. O que a fez terminar? Segundo ela, o moço tinha hábitos estranhíssimos durante o sexo. Ou seja, outro homem kinder ovo. Assim que ela me contar detalhes e autorizar, é claro, eu conto aqui.

Surpresas, surpresas, surpresas... Geralmente desagradáveis.

Meninas, a páscoa está chegando e só posso deixar um conselho: Fiquem longe dos homens Kinder Ovo!

Verônica


segunda-feira, 19 de março de 2012

Eu Desejo...



(by Cinthya)

Eu desejo muito profundamente que cada um de nós tenha um dia maravilhoso, uma semana bela e uma vida feliz. Desejo mesmo que cada coração seja banhado de muita luz, que cada coração seja um berço de amor, de paz e de beleza. Eu quero, muito decididamente, que as mentes se abram para a vida, que a vida se abra para o bem e que o bem seja a base de todas as decisões e de todos os pensamentos.
Meu sincero desejo é de que as pessoas acordem para o amor, que as pessoas se permitam viver o amor. Que a maldade não ocupe mais lugar em seus corações, que ninguém mais perca seu tempo, seu precioso tempo, confeccionando coisas ruins e maléficas. Que nenhum lábio deixe escapar palavras negativas ou destrutivas. Que ninguém jamais se refira a outrem com ódio ou rancor.
Quero que as mágoas sejam perdoadas e esquecidas e que o lugar que outrora elas ocupavam seja dedicado as coisas boas que surgem a todo instante, mas que a gente quase não vê. Quero muito que saibamos lidar com as nossas limitações para que possamos evoluir. Que saibamos lidar com os “nãos” que encontraremos pelo caminho e que isso não seja motivo para criar sentimentos ruins dentro de nós. Que possamos nos alegrar com o crescimento do próximo em vez de corroer nossa alma com o fel da inveja.
Que a confiança no ser humano seja uma constante. Que o bem seja vencedor. Que os corações se livrem de todo o mal. Amém.

sábado, 17 de março de 2012

O Susto!



Tem dias que a gente precisa tomar um susto pra poder acordar. Pois bem! Acordei!

Bom final de semana, pessoas!

Beijos!!

Verônica

sexta-feira, 16 de março de 2012

Crônica do Amor


(by Cinthya)

E quem disse que o perfeito existe? E quem disse que só se ama as qualidades do outro? E quem disse que só é bonito e saboroso aquilo que é despido de defeitos? Quem disse?

Mais uma vez eu trago Jabor para falar sobre esse assunto que me intriga... Ontem recebi de uma amiga um folheto com o dizer: "Pessoas certas não existem. Somos todos errados procurando alguém que aceite nossas imperfeições." E é bem por aí mesmo...

Crônica do Amor

"Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.

O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.

Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.

Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no
ódio vocês combinam. Então?

Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a
menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.

Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama
este cara?

Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.

É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura
por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.

Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.

Não funciona assim.

Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.

Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa."

Arnaldo Jabor

quinta-feira, 15 de março de 2012

Desanimador!



Dia desses num papo insone com um amigo - que é um grande colaborador do Divã nos dando dicas e revelando segredos do sexo masculino para compormos histórias que rolam por aqui - perguntei pra ele o que, de fato, é desanimador em uma mulher. Aquilo que faz o cara broxar cair fora.

Ao contrário do que eu pensava a calcinha bege não é esse monstro de sete cabeças não. "Se rolar um frisson e a gente partir pros finalmentes, a calcinha bege ela tira a gente nem vê..." me disse ele cheio de conhecimento de causa. Daí perguntei, o que REALMENTE faz com que o cara perca o interesse, ou que pelo menos deixe uma impressão negativa. Ele foi categórico: "Sem dúvidas os pêlos na região... isso é horroroso, não há homem que curta o tipo floresta negra. Pelo menos se há, eu não conheço. Já conversei com vários amigos e todos compartilham da mesma opinião que eu: mulher peluda não dá!"

Assim como as mulheres têm suas queixas em relação aos 'tufos', ele também têm. Afinal, excesso de pêlo é realmente é desanimador, concordam?

Diante das afirmações dele resolvi fazer esse levantamento. Perguntei pra vários amigos e as respostas foram bem parecidas. Pasmem: A calcinha bege ficou em segundo lugar. Pêlo é disparado a queixa-mor.

Lembrei de uma história engraçada que contei de uma leitora sobre A Cueca Furada. Quem já conhece, vale à pena ver de novo, quem ainda não leu eu recomendo. É super engraçada.

Meninas, fiquem atentas: mantenham o decote em dias. Virem amigas da depiladora ou abram um crediário, mas não encarem uma noitada sem o devido preparo, ok? Se numa sexta a noite, aquele carinha que você paquera há tempos te ligar te chamando pra sair e você estiver com o decote desatualizado e as pernas parecendo um caranguejo, nem pensem duas vezes: digam não!! Inventem uma doença, ou digam que está viajando, foi para outro estado, mas não se queimem por uma noite. Não vale à pena.

Meninos, se liguem: uma cueca box cai bem em qualquer ocasião. Não precisa ser, necessariamente, uma Calvin Klein se for, melhor ainda... Mas, não precisa. Basta ser bonitinha, novinha... Ah, não custa nada andar com os pêlos aparados. Alguns meninos tiram mesmo, passam a máquina 0, outros preferem só aparar, deixar curtinho rente a pele, seja qual for a sua escolha, que seja a mais higiênica.

Bom, o final de semana se aproxima perigosamente e espero que essas dicas ajudem.


Verônica

quarta-feira, 14 de março de 2012

A Fórmula


(by Cinthya)

Uma coisa que me entristece é a maldade. É ver um ser humano investir seu tempo em exercer a maldade, ver pessoas manipulando formas de fazer outras pessoas sofrerem, enfim. Muito triste ver e receber essa maldade que, infelizmente, anda solta no nosso mundo, a destruir dias e vidas.
Quão triste deve ser um ser que, em vez de cultivar sonhos e sorrisos, dedica sua vida a proliferar o mal e a desarmonia. Sei que muitas vezes essas pessoas agem em “defesa própria” a algo que lhe fizeram e que as magoou. Mas, não seria mais fácil conversar, esclarecer e esquecer? Por que a mágoa precisa ser eterna? Por que envenenar a alma com o fel do ódio, do desejo de vingança?
A harmonia é algo tão bom. Você se sentir em constante harmonia com o Todo, com o Universo é maravilhoso. É tão gratificante você fazer o bem, e não pensem em grandes esforços, em grandes missões, estou falando do bem cotidiano, estou falando de ser educado, estou falando de ser prestativo, estou falando de viver a sua vida respeitando a vida do outro, de saber ser feliz com o que é seu.
Mas, infelizmente, muita gente não pensa assim. Infelizmente muita gente acha que se diverte fazendo maldade aos outros, muita gente acha que é O Cara porque “tirou onda” de alguém. É uma pena que eles não saibam que a existe uma Lei da qual ninguém foge: a Lei do Retorno.
A vida pode ser comparada a um grande campo onde a gente tem o livre arbítrio para plantar se quiser e o que quiser, somos livres para isso. Porém, plantando a colheita passa a ser obrigatória. E a gente só colhe aquilo que foi plantado. Não há como fugir e não há como mudar. Eis a fórmula!
Então, vamos escolher as sementes doces, leves, de sabores agradáveis para que amanhã a gente tenha sobre nossas mesas um banquete de dar água na boca. Minha gente, ser feliz é simples e muito, muito, muito bom!

terça-feira, 13 de março de 2012

Por quê eu te amo?


Te amo porque você chegou na minha vida de mansinho. Não exigiu nada, não impôs nada, não demonstrava pretensão alguma... Foi chegando com quem não quer nada e se estabeleceu, definitivamente, dentro do meu coração.

Te amo porque isso me faz bem e o fato de sentir a veracidade da reciprocidade é só um complemento. Que bom que é assim! Mas, se não o fosse eu amaria do mesmo jeito.

Te amo porque você cuida de mim quando estou doente, faz sopinha, compra remédio, dorme do meu lado me fazendo cafuné e me acompanha ao dentista porque sabe que sairei de lá sentindo dores (maldito aparelho).

Te amo porque você pertence ao mundo das letras e ainda assim foi se aventurar no universo dos números só para me socorrer. Aprendeu álgebra só pra me auxiliar na matéria que mais me consome na faculdade.

Amo-te porque você me liga no meio do dia e quando eu menos espero só pra saber se eu estou bem.

Amo-te porque a saudade que eu sinto de você quando estamos longe é inversamente proporcional à necessidade que sinto da sua presença. Amo por amar e não por precisar.

Amo-te porque quando você chega é como se o sol se abrisse e as flores sorrissem para mim. Sua presença me traz alegria e calma.

Amo-te porque antes de ser meu parceiro na cama você é meu amigo, confidente, ouvinte, conselheiro...

Amo-te porque esse amor é um sentimento leve, suave, tranquilo... amar você não me traz carga alguma e é uma delícia sentir-me amada da mesma forma. Com tamanha leveza.

Amo-te porque sinto que, se por algum motivo, amanhã esse sentimento não existir mais, surgirá outro, talvez gratidão ou amizade.

Amo-te porque isso só me faz bem. Antes de amá-lo, amo a mim e certamente esse é o nosso ponto de equilíbrio.


Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?

Luís de Camões


Ps: Texto enviado por uma leitora. Um presente para nós. Uma delícia de leitura! Amei!

Verônica

segunda-feira, 12 de março de 2012

Sobre Gratidão


(by Cinthya)

Passamos a vida toda escutando frases prontas. Ouvimos dos nossos pais que ouviam dos nossos avós que ouviram dos nossos bisavós e por aí vai... Algumas têm um sentido forte e notórios, outras a gente só valida a veracidade quando se vê mergulhado na situação. No final das contas, quase todas trazem sabedoria.

Uma frase que sempre ouvi foi: "Quem tem amigos, tem tesouros". E, no decorrer dos meus trinta e cinco anos tive provas concretas da verdade contida nessa afirmativa. Amigos que sempre estiveram comigo, nas horas boas e nas ruins, enxugando lágrimas ou dividindo sorrisos. Eu nunca alimentei a sensação de estar só, de me sentir só. Por mais que estejam longe, ainda assim eles estão comigo.

Sábado passado eu recebi uma ajuda sem tamanho. Uma pessoa que se dispôs a atravessar a cidade para me ajudar, pois sabia que eu precisava. Uma moça linda que não se importou em comprometer seu sábado para auxiliar minha vida, pois sabia que eu precisava.

Verônica Monteiro, minha parceira de blog, minha parceira da vida. Minha amiga verdadeira. Amiga daquelas que quando eu penso em pedir socorro ela já está ao meu lado evitando que eu me desgaste gritando Help! Amiga pra toda hora. Amiga que eu carrego no peito, com muito orgulho. E é isso, Parça, tenho muito orgulho de ter você como amiga. Por mais que eu te agradeça, nunca agradecerei o suficiente. Você não imagina como ficamos (eu e minha família) gratos com a sua disposição em nos ajudar.

Te amo!

Gratidão
Pela amizade que você me vota,
por meus defeitos que você nem nota...

Por meus valores que você aumenta,
por minha fé que você alimenta...

Por esta paz que nós nos transmitimos,
por este pão de amor que repartimos...

Pelo silêncio que diz quase tudo,
por este olhar que me reprova mudo...

Pela pureza dos seus sentimentos,
pela presença em todos os momentos...

Por ser presente, mesmo quando ausente,
por ser feliz quando me vê contente...

Por este olhar que diz:
"Amiga(o), vá em frente!"

Por ficar triste, quando estou tristonho,
por rir comigo quando estou risonho...

Por repreender-me, quando estou errado,
ou pelo meu segredo, sempre bem guardado...

Por seu segredo, que só eu conheço,
e por achar que apenas eu mereço...

Por me apontar pra DEUS a todo o instante,
por esse amor fraterno tão constante...

Por tudo isso e muito mais eu digo:

DEUS TE ABENÇOE

MINHA QUERIDA AMIGA!!
(Autor Desconhecido)

sábado, 10 de março de 2012

Só o tempo...

Imagem fonte: blog da Debby


Lendo o Blog da nossa linda, assídua e participativa Débora Acácio. Vi um poema, feito por ela, que me chamou muito a atenção e hoje resolvi compartilhar com você.
Ele é lindo, e como em tudo que a Débora escreve é repleto de emoção, com esse texto não poderia ser diferente. Ele é lindo, sensivel, despretencioso e solidário. Como devem ser os poemas de amor.

Li e amei!!

Poema Só o Tempo.

Bom final de semana e boa leitura!

Verônica


Só o tempo
( Débora Acácio 06/03/2012)

Só o tempo
Vai me dizer o quanto foi válido amar
Me entregar ...
Sorrir, dançar, ouvir e tocar você.

Só o tempo
Vai me dizer em tons suaves
Nas cores da saudade
O quanto foi inesquecível
Todo esse tempo com você.

Só o tempo
Vai me ajudar a não substituir
Mas a entender que posso
Ser feliz e viver sem você.

Só o tempo
Vai me ajudar a compreender
O que a dor as vezes me faz calar,
Sufocar, esquecer ou guardar.

Só no tempo
Eu aprendi dias chorando
Outros sorrindo
Que você estando feliz
Para mim já é o suficiente

E no tempo
Irei agradecendo a Deus
Todos os dias pelo seu existir
pelo pouco de você que há em mim
Mesmo estando longe

Só o tempo

sexta-feira, 9 de março de 2012

Ainda Sobre Ellas...


(by Cinthya)

Ainda falando sobre nós, mulheres, posto para vocês um texto que adoro. Leio sempre e encontro nele muita verdade. Atribuem esse texto ao Arnaldo Jabor. Vamos à leitura:

"Á medida que envelheço, e convivo com outras, valorizo mais as mulheres que estão acima dos 30. Estas são algumas razões do porquê:

- Uma mulher de 30 nunca o acordará no meio da noite para perguntar: "O que você está pensando?" Ela não se importa com o que você pensa, mas se dispõe de coração se você tiver a intenção de conversar.

- Se uma mulher de 30 não quer assistir o jogo, ela não fica à sua volta resmungando. Ela faz alguma coisa que queira fazer. E, geralmente é alguma coisa bem mais interessante.

- Uma mulher de 30 se conhece o suficiente para saber quem é, o que quer e quem quer. Poucas mulheres de 30 se incomodam com o que você pensa dela ou sobre o que ela está fazendo.

- Mulheres dos 30 são honradas. Elas raramente brigam aos gritos com você durante a ópera ou no meio de um restaurante caro. É claro, que se você merecer, elas não hesitarão em atirar em você, mas só se ainda sim elas acharem que poderão se safar impunes.

- Uma mulher de 30 tem total confiança em si para apresentar-te para suas melhores amigas. Uma mulher mais nova com um homem tende a ignorar mesmo sua melhor amiga porque ela não confia no cara com outra mulher. E falo por experiência própria. Não se fica com quem não se confia, vivendo e aprendenndo né???

- Mulheres se tornam psicanalistas quando envelhecem. Você nunca precisa confessar seus pecados para uma mulher com mais de 30. Elas sempre sabem.

- Uma mulher com mais de 30 fica linda usando batom vermelho. O mesmo não ocorre com mulheres mais jovens.

- Mulheres mais velhas são diretas e honestas. Elas te dirão na cara se você for um idiota, se você estiver agindo como um!

- Você nunca precisa se preocupar onde você se encaixa na vida dela. Basta agir como homem, e o resto deixe que ela faça.

- Sim, nós admiramos as mulheres com mais de 30 por um "sem" número de razões. Infelizmente, isso não é recíproco.Para cada mulher de mais de 30, estonteante, inteligente, bem apanhada e sexy, existe um careca, velho, pançudo em calças amarelas bancando o bobo para uma garçonete de 22 anos. Senhoras, eu peço desculpas: Para todos os homens que dizem, "porque comprar a vaca se você pode beber o leite de graça?", aqui está a novidade para vocês: Hoje em dia 80% das mulheres são contra o casamento, sabe por quê? Porque as mulheres perceberam que não vale a pena comprar um porco inteiro só para ter uma lingüiça. Nada mais justo."

Arnaldo Jabor.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Deus e a Criação



Se eu estivesse ao lado de Deus no dia da criação, entraria num diálogo perfeito sobre a criação e diria: - Senhor, meu Pai, Todo Poderoso. Percebo que estás cansado, o que lhe trouxe tanta fadiga à tua força meu Senhor?
Certamente ele me responderia: - Acabei de criar um novo ser!
- E a criação lhe conduziu à tanto cansaço assim porque meu Senhor? Novamente indagaria.
- Foi difícil a circuncisão! Não imaginaria que tal criação me consumaria tanta energia, ao ponto de deixar-me assim, um tanto fadigado. Concede-me um pouco d’água para que possa renovar minhas forças.
- Sim, é claro meu Senhor.
Em pouco tempo, retornaria com o líquido energético, para que nosso Deus restabelecesse suas forças e novamente o indagaria:
- Senhor, sei que Tu és o Todo Poderoso entre todas as galáxias, sobre todas as águas e todas as terras; todos os céus e em todos os tempos, porém, perdoe-me e entenda a minha preocupação para com o Senhor e diz-me, que ser é este que criaste ao ponto de tomar-te tanta força?
E Deus, com o ar soberano em emoção, olharia fixamente aos meus olhos e diria:
- Acabo de criar a criatura mais bela de todos os tempos. Dei-lhe parte do meu poder Pai, proporcionando-a o dom da vida,  e os teus a chamará de mãe.
- Ela multiplicará o mundo juntamente com o homem. Dará amor e amamentará toda a sua geração. Cuidará da família, assim como eu cuidei e cuido de vós e de todos os seres do meu jardim.
Percebendo o momento da respiração de Deus, permaneceria atenciosamente admirando as palavras do Senhor, imaginando a potencialidade do ser que ele acabara de criar, e o deixaria continuar.
- A concedi também um mar de lágrimas para cada sofrimento que ela sentir em meio às adversidades e aos homens. Entretanto, também lhe proporcionei força, coragem e determinação para superar os inúmeros obstáculos que encontrarás em vida.
- Também a preenchi de fé, para quando precisares, saber conduzir-se ao meu caminho.
- Será amada, desejada e querida. Será ferida! E tendo em teu seio, o Amor maior dado por mim, aprenderás a perdoar.
- Como uma guerreira, será conduzida à muitas vitórias e glorificará a tua geração.
Um tanto cansado, debruçando-se no trono, Deus suspirou e procurou descansar.
Respeitando o desejo do Senhor, resolvi fazer-lhe a última pergunta para aquele momento e disse: - Senhor, e que nome deste a este ser com toda essa força, com toda essa energia, com toda essa glória e poder de multiplicar os seres humanos no mundo, de ser a mais bela e desejada entre tantas criaturas?
Ainda em silêncio, Deus olhava suavemente á frente, fazendo-me com que prestasse a atenção naquilo que entrava ao recinto, algo que jamais tinha visto, de corpo perfeito aos olhos perfeitos, me fazendo amá-la e desejá-la quase que instantaneamente.
Foi então que Ele levantou, estendeu as mãos entre o ser e disse:
- Teu nome é Mulher!

Feliz Dia Internacional á todas Mulheres!
Um abraço,

Mário pires



Para comemorar o Dia Internacional da Mulher recebemos dois grandes homens hoje no Divã que é Dellas e Delles. O Primeiro é Mário Pires: Poeta, compositor e um profundo conhecedor da essência feminia. Alguém que tem a sensibilidade de perceber coisas imperceptíveis e que eu tenho o enorme prazer de chamá-lo de amigo e que carinhosamente aceitou meu pedido e fez esse belo texto pra nós.
O segundo é o grande Chico Buarque de Holanda. O nosso amado Chico! Dispensa apresentações. Mas, um homem que tem o poder de desvendar a nossa alma e consegue nos descrever da maneira mais minunciosa e incrível.
No nosso dia, não poderíamos estar em melhores companhias.
Um beijos e Feliz Dia Internacional da Mulher para nós!

Verônica





O Meu Amor
Chico Buarque

Teresinha:
O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca
Quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada, ai

Lúcia:
O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos
Viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo
Ri do meu umbigo
E me crava os dentes, ai

Eu sou sua menina, viu?
E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha
Do bem que ele me faz

Lúcia:
O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
De me deixar maluca
Quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba malfeita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita, ai

O meu amor
Tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios
De me beijar os seios
Me beijar o ventre
E me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo
Como se o meu corpo fosse a sua casa, ai

Eu sou sua menina, viu?
E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha
Do bem que ele me faz
A duas: Teresinha: As duas:

quarta-feira, 7 de março de 2012

A Montanha


(by Cinthya)

E eu encontrei o paraíso... Ufa! Até que enfim.  Enfim encontrei aquele lugar onde sempre sonhei estar. Com um lago cristalino, com flores campestres, com um lindo pomar, uma brisa pura, um pôr-do-sol de deixar qualquer um encantado. Eu trajando branco (Não. Não morri.), uma roupa leve, cabelos lindos e brilhosos, esvoaçando romanticamente ao vento. Estou plena.
O príncipe vem no cavalo branco... Eu quase posso ouvir Alceu Valença cantar: “Tu vens, tu vens... Eu já escuto os teus sinais...” acompanhado pelo canto dos pássaros e o som do vento ao tocar as folhas. Tudo está perfeito. Coração em paz. Alma nua. Deliciosamente plena.
Está tudo tão bom, mas tão bom que eu começo a desconfiar... Mas... Lá ao longe o cavalo branco aponta e a certeza de que tudo, de fato, está bem mais uma vez invade meu coração. “Ele está vindo. Ele existe e está vindo”. E o cavalo se aproxima trazendo o belo príncipe a galopar.
Meu coração aos pulos. Meus olhos, puro brilho. Minhas mãos trêmulas. Que sensação maravilhosa é essa? Enfim, vou poder saborear o real gosto do sonho concretizado. Vou poder tocar o impalpável. Vou, enfim, provar a todos que eu não estava louca. Que tudo o que passeava nas minhas poesias podia e pode acontecer, pode tomar forma e preencher meus dias.
Você está chegando...  Mas... Ops... Esperem... Tem algo errado... Do lago cristalino, de repente, aparece um monte. Não, um monte não. Uma montanha! Uma montanha enorme se ergue em meio às águas. E eu já não te vejo mais. E o que era sonho volta a se transformar. O sorriso se desfaz, o brilho nos olhos vira lágrima, os lábios apenas esboçam um som de dor. Uma dor de quem já viu esse filme, uma dor de quem não quer viver tudo isso de novo. Uma dor de quem cansou de acreditar, de chegar tão perto... Pra depois dizer adeus!
A montanha... A porra da montanha... Sempre ela... Sempre ela a se erguer entre eu e as minhas realizações. Hoje eu entendo que a montanha sempre surgirá. Não importa para onde eu vá. Não importa em que terras eu plante meus sonhos. A montanha sempre se erguerá à minha frente, entre eu e ele.
O que me resta é esperar por aquele que, de tanta vontade de permanecer em meus sonhos, escale a montanha ou a desvie, ou ainda a exploda. Enfim, que faça qualquer coisa, mas não deixe que isso seja maior que nós e nossa história.

Não desista! Por que eu não vou desistir.

terça-feira, 6 de março de 2012

Falta de tesão não é falta de paixão!



Na semana da mulher, resolvemos abordar assuntos que fazem parte do cotidiano do casal, mas são considerados tabus. A impotência sexual, por exemplo, é mais comum do que muitas pessoas imaginam. Ela fica ali escondidinha e é considerada assunto proibido por colocar a masculinidade do homem em jogo.

Ao contrario do que muitos pensam, impotência nada tem a ver com falta de interesse. Diversos fatores podem ocasionar essa disfunção. Nós mulheres achamos que ao acontecer conosco é porque a culpa é nossa e nem sempre é. A maioria das vezes não é. Vestir a carapuça e cobrar resultado não ajuda em nada.

Lendo uma matéria super interessante ontem no UOL resolvi abordar esse assunto. Lá, especialistas falam sobre o problema de uma maneira bem clara. Vale a pena conferir.

De acordo com o sexólogo Theo Lerner, nos homens abaixo dos 50 anos, “as principais causas da impotência são de fundo emocional e causadas pela ansiedade, impedindo a ereção”. O psicólogo ainda explica que, normalmente, o homem impotente nem sempre está preocupado com questões que envolvem o seu comportamento sexual ou desempenho na cama. A inquietação pode ser causada pelo trabalho, por exemplo.

Miriam Barros, que é psicóloga clínica e psicodramatista afirma que: “Normalmente, os acontecimentos na vida do homem, que o fazem se sentir diminuído ou com baixa autoestima, podem contribuir para a dificuldade de ereção. Questões ligadas à área profissional, como perder o emprego ou se sentir fracassado, colaboram para a impotência, assim como os momentos de muita pressão e ansiedade.”

Lerner afirma ainda:  “Muitas vezes, as mulheres acham que a impotência é sinal de falta de amor. Ela passa a insistir que o homem mostre desempenho, para provar que é apaixonado por ela. No entanto, para ele, não é nada disso e essa atitude só piora a situação”, explica o terapeuta sexual.

O que nós mulheres podemos fazer para ajudar?
Segundo Theo Lerner, se a mulher for compreensiva e realmente quiser investir na relação, ela pode ter um papel fundamental na melhora do desempenho do parceiro. No entanto, o especialista em assuntos sexuais não recomenda um diálogo sobre o assunto logo de primeira. “Sentar e discutir a relação imediatamente só vai aumentar o problema. Se persistir, aí, sim, é bom chamar o parceiro para uma conversa e incentivá-lo a procurar ajuda”, explica.

Já Miriam Barros, aposta na paciência, por parte da mulher, como a cura para o problema.  “Compreendendo o lado do parceiro e se ele concordar, ela pode falar sobre o tema, mas de uma forma respeitosa. Quando for conversar, tem de tocar no assunto com muito cuidado, para que o homem não se sinta humilhado, pois é a masculinidade dele que está em jogo.”

A matéria é super bacana e o assunto é super comum. Cabe a nós (envolvidos no processo) agirmos com a naturalidade que ele exige.

Portanto, meninos e meninas: Nada de paranóia quando o assunto é impotência sexual.

Verônica