quarta-feira, 25 de maio de 2011

Minha Sogra Não Quer Que Eu Case!


(by Cinthya)

Valéria Solaretto é uma mulher bonita, jovem e com formação acadêmica na área de comunicação. Como quase toda mulher da sua idade, quer um dia casar e ter filhos. Nesse panorama ela conhece Guilherme Sobrinho, também jovem, recém-formado na área de saúde. Descobertas as afinidades, dão início a um namoro.

Guilherme, no entanto, é filho único. E a mamãe dele, é super protetora e tende a manipular o rapaz, principalmente no que diz respeito a assuntos amorosos. Com isso Guilherme tornou-se um adulto sem iniciativa e com grande dificuldade de tomar decisões. Encosta-se na mãe e segue o que ela decide.

Claro que Valéria é para a sogra uma inimiga, a pessoa que quer lhe tirar o filho amado. Mães são, quase sempre, egoístas.

Valéria cansou dessa história e, embora seja apaixonada por Guilherme, decidiu romper o relacionamento, pois já haviam dado um tempo e retornado com a condição de que seria pra casar, mas o tempo passou e o casamento não surgiu. Cansada, Valéria optou pelo The End!

Muito bem. Esse é um relato sobre o que acontece com uma leitora querida do nosso Blog. Ela terminou seu namoro porque, de fato, não viu o matrimônio como algo que viesse a acontecer entre os dois. E para continuar apenas como namorados, ela não quer.

Valéria tem uma grande inimiga nessa história, aliás, a maior que alguém possa ter: A Mãe do Cara! Qualquer pessoa que queira medir forçar com uma mãe, sai em desvantagem. Mãe é algo sagrado demais para que a gente deixe em segundo plano. Principalmente quando se é filho único.

O Guilherme foi super protegido, super mimado, super amado e não tem culpa disso. Na verdade ninguém tem culpa nessa história. E o único “conselho” que posso dar, vendo a situação de fora é: se o seu inimigo é mais forte que você, para não perder a luta, alie-se a ele.

Então, Valéria, arregace as mangas e vá mostrando para a Dona Sogra que você não quer tirar o filho dela, que você apenas vai fazer do filho dela um homem mais feliz. Isso vai aliviar a barra. Vai dar confiança ao Guilherme, pois ele se livrará da sensação de estar abandonando a mãe por sua causa. Mostre para eles que você não quer e não vai separá-los... Não haverá diminuição e sim soma.

Fácil? Nem tanto. Mas vale a pena quando se tem amor na jogada!

Boa Sorte, Amiga.







12 comentários:

Amanda disse...

ehhhh vendo de fora é simples, porém muito complicado se colocando no lugar delaa!!!eu mesmo a terminei relacionamentos tanto por conta de sogra como de tia de namoradoo!!!um porreeeeeeeeeee



mais óhh boa sorte!!!

bjus

Mirys + Guigo + Nina disse...

Verô, Verô... você e seus temas "difíceis"...

Como falar de família e de amor é fácil... vim aqui te convidar!!!
PARTICIPA COM A GENTE da campanha "Gaste Tempo Com Quem Você Ama"? Participa, vai???!!

Os selinhos (tem pra escolher), as explicações, as ideias, estão todos aqui: http://diariodos3mosqueteiros.blogspot.com/2011/05/gaste-tempo-com-quem-voce-ama-campanha.html

Esperamos você na blogagem coletiva do dia 30 de maio, tá?

Bjos e bençãos.
Mirys
www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

Anônimo disse...

Eu não perderia tanta energia investindo numa relação com a sogra não, rsss...nunca eu seria boa o suficiente. Eu iria pensar no futuro com esse homem sabe? Por mais amor que haja num relacionamento, é complicado manter um casamento onde a mãe do outro se envolva o tempo todo. Eu não falo dela ser mais importante que eu, pois minha mãe é mais importante que qualquer pessoa, mas nem por isso eu passo por cima dos sentimentos dos outros. São amores diferentes demais e os dois precisam ser importantes na Vida do Guilherme. Será que ele ama tanto Valéria assim? Eu me perguntaria isso se fosse Valéria. O homem quando ama uma mulher enfrenta até a mãe fazendo biquinho e dizendo que vai ter um piripaque.
Eu não me casaria com um homem que a mãe manipulasse não. Quando a rotina do casamento viesse( sim , a rotina existe Valéria!) e toda hora o Guilherme fosse socorrer as manhas da mãezinha eu iria ter um treco.
Selma.

Van disse...

Meu marido é filho único. Mas minha sogra é gente boa comigo , não fez nenhuma distinção ou impos qualquer impedimento ao nosso casamento , pelo contrário , me tem como uma filha ! E eu ainda saí no lucro porque fico sem cunhados e cunhadas...hehehehe..quer dizer , tem a esposa do meu irmão só pra compensar , mas ainda assim , tô no lucro , a família dá menos trabalho nesse caso. Mas cada um é cada um , né ? Grande Beijo e com saudades das duas queridas !

www.meusescritoseoutraspalavras.blogspot.com

www.vidainversoepoesia.blogspot.com

Cinthys disse...

Meninas, meu amor tambem é filho único e passei por essa mesma situação... só que reverti ao meu favor.
Minha sogrita ainda fazia pior, fingia doença e tentava jogar a família conta mim. Tentei de todas as formas, ser amiga, aliada, mas nada adiantou. Eu acredito até que ela gosta de mim, mas me ver como a "ladra" de seu filho pesou mais e ela fazia da minha vida um inferno.

Só que quando há amor de verdade, não tem pra onde, o AMOR vence.

No dia que conversamos e coloquei ele contra a parede (sim tive que fazer isso, pois como bom filho ele tinha medo de magoar a mãe e a faília) ele titubeou, mas conversou com o pai e disse que sua felicidade estava ao meu lado e que ele tinha direito de ser feliz!!!
E ela? Continuou sem aceitar...rs e saiu perdendo, porque hoje ele mora comigo e ao contrario do que ela praguejou vivemos muito bem e felizes.
Hoje quem não quer contato sou eu...estou em paz e quero continuar assim. Sei o valor da família, mas do que adianta família ao lado quando não torce pela nossa felicidade?

Repito..quando há amor de verdade...ele sempre vence!!!

Bjs

Anônimo disse...

Ai ai! Situação difícil mesmo.

Já passei por isso, já terminei o namoro e isso deu uma "sacodida" nele. Ele não era filho único, mas a mãe era assim.
Depois voltamos e casamos. Ainda hoje tenho problemas e acho que terei para o resto da vida, não é pessimismo é apenas uma constatação de tudo que já passei.

Hoje não sei se saio correndo da relação, se me conformo com ela ou se tento fazer alguma coisa diferente. Estou optando por me manter distante da família dele dentro do possível.

Acho até que o amor vence, mas tudo cansa em algum momento.

Coloquei meu dilema em outro blog e tive várias respostas e conselhos, alguns bem difíceis de ler, mas todos com verdades que eu preciso encarar.

Se quiser, pode dar uma olhada:

http://3xtrinta.blogspot.com/2011/05/conte-seu-dilema-detesto-minha-sogra.html

beijos e boa sorte pra vc.

Joana.

Lília disse...

Na boa, eu acho que isso depende d cara, porque tem uns que se vc aperta ele compra a felicidade ao lado da mulher que ama, aí você pode tentar uma união com a sogra, porque vale à pena, afinal o cara está do seu lado. Quando o cara fica em cima do muro é que é o problema, a mulher sempre sairá perdendo em relação a mãe e levar uma vida assim, eu considero bem complicado!

Fê disse...

Vivo uma situação simialr a esta contada aqui.
A minha sogra é bem dominadora e surtou quando o filho foi morar comigo.
Ainda hoje ela não fala conosco direito, sempre há brigas da parte dela mas no fim ele fica sempre do meu lado.
Realmente se este rapaz quisesse ter casado com a Valéria ele teria se libertado da mãe pra fazê-lo. Mas neste caso, como aparentemente ele ainda não é forte o suficiente pra se libertar da dependência da mãe esse relacionamento traria mais tristezas que alegrias pra Valéria.
Deus escreve certo por linhas tortas!!! Torço por você Valéria!!! E pra que você encontre um príncipe que te ame tanto que seria capaz de renunciar a tudo e a todos pra poder ficar ao seu lado!!!

=)

Anônimo disse...

É muito complicado isso, eu vivo uma situação um pouco parecida, namoro a 6 anos, meu namorado n é o único filho, mas a mãe dele é separada e tem uma relação grudenta com todos, ainda mais com o meu, que além de ser o mais atencioso com ela é o que ajuda financeiramente, é uma relação bonita, eles são todos unidos, mas eu não sei até que ponto é saudável.. Não se comenta de casamento na frente dela, compramos uma casa e ela n sabe, tudo é assim, ele parece ter medo dela, aff eu não aguento mais, pq vivemos já como marido e mulher e só n casamos ainda, mas ela faz questão de me tratar como a namorada.. nunca tivemos nenhum problema sério, pq eu sempre passei por cima de tudo p me unir a ela, mas meu limite chegou, essa história de unir-se a ela, para mim não ta dando muito resultado, eu tô é acomodando mais ele..E eu vivo nesse dilema, ele fala q casaremos o ano que vem, e eu vou esperar até o final do ano que vem, se nada acontecer, falei como você! Chutarei o pau da barraca, pq meu limite já ta passando e isso já ta me fazendo mal... Mas existem casos e casos.. Boa sorte p vc! beijão.
Xandu

Anônimo disse...

No meu caso o meu companheiro é filho único de mãe divorciada. Parece q sempre q estamos bem algo acontece p voltamos ao 0 e a casa da mãe dele. Ele fica entre as duas e a mãe lê a um pouco de vantagem pois faz a linha quero q vcs sejam felizes mas estou aqui e preciso de atenção ele se sente na obrigação de estar com ela sempre é eu fico em segundo plano. Tenho medo de abrir o jogo e deixar ele magoado sabe. Mas n aguento mais essa situação quero um homem q fique comigo independente de mãe. N quero ele só p mim mas quero q ele caminhe comigo. N quero ter q ir p casa dela (mudar p lá) sempre q algo aconteça. Quero muito ter um relacionamento estável e principalmente me sentir prioridade na vida dele. Mas a mãe sempre está lá. Pq homens tem dificuldade de cortar o cordão umbilical e viver a sua própria vida?

Katia Schultz disse...

Caraaa a mulher tem a minha profissão e a cobra e a minha! Kkkk

Katia Schultz disse...

Caraaa a mulher tem a minha profissão e a cobra e a minha! Kkkk