sexta-feira, 8 de março de 2013

Honradas Mulheres

(by Cinthya)


Um dia dedicado à mulher! Um dia onde a gente deveria parar e analisar o nosso papel na construção de uma nova sociedade. Um dia para analisarmos a importância das nossas conquistas na luta pela igualdade, e principalmente, que postura estamos adotando diante de tanto avanço na luta pelos direitos iguais.

Para tudo existe uma contrapartida, em relação ao avanço da mulher na sociedade moderna não é diferente. Conseguimos muita coisa, estamos no mais alto cargo do país, um feito inédito na nossa história. Avançamos na luta para acabar com a violência contra a mulher. E a cada dia, estamos “lutando” de igual para igual com os homens, seja dentro das corporações, seja no campo artístico, seja na família, seja onde for a cada dia as mulheres se mantêm num patamar de igualdade com os homens.

Por outro lado, a cada dia fica mais difícil acompanhar a criação dos nossos filhos, a cada dia as famílias diminuem de tamanho e por conta de estarmos sobrecarregadas, nós, mulheres, acabamos optando por um filho ou nenhum. A cabeça que antes era voltada para o lar, hoje é povoada de problemas do trabalho, de rotinas corridas que temos que casar com outros afazeres tipo: casa, família, academia, estudos.

Definitivamente “ser mulher” hoje em dia não é tarefa fácil. Crescemos muito, nos tornamos independentes em muitos aspectos e isso também criou um novo modelo de família, onde mulheres assumiram suas gravidezes solo e seguiram adiante criando sozinhas os seus filhos. E isso está longe de indicar que essas crianças crescerão em um lar deficiente. Muito pelo contrário.

Eu sou uma dessas mães modernas que crio o meu filho sem a presença do pai e não acho de forma alguma que ele vá crescer “defeituoso” por conta disso. Essa é uma realidade mais presente do que imaginamos hoje em dia. Só na rua onde moro somos oito mães em carreira solo e todas criam de forma digna os seus filhos. Vez ou outra me sinto triste quando escuto de amigas algo do tipo “quero muito um filho, mas só o terei dentro de uma família estabilizada, com um pai presente. Afinal a criança não merece sofrer pelos meus atos egoístas”.

É um pensamento arcaico, na minha concepção. Um pai presente não é garantia nenhuma de uma boa criação. O que deve existir para o bem estar de uma criança é compromisso, responsabilidade, limites, exemplos e muito, muito, muito amor. As famílias estão mudando e as pessoas, espero, irão se acostumar com isso da mesma forma que se acostumaram com um monte de coisa no decorrer da história. Antes a chefia da família era masculina, absolutamente. Hoje as mulheres assumiram o posto em grande parte delas. E o fazem de forma honrada. Então, homem e mulher precisam um do outro para a concepção da família (filhos). Mas isso não significa dizer que precisam levar uma união adiante (ainda que falida) para garantir a criação e a estrutura familiar.

Gosto da liberdade que conseguimos, mas admito que ainda estamos aprendendo a lidar com ela. Ser chamada de cachorra, pra mim , é um desaforo, mas sei que a culpa é de muitas mulheres que confundiram liberdade com libertinagem. Um trocadilho que nos faz pagar caro. Tenho uma postura firme diante daquilo que eu não aceito. Não fui criada para o casamento. Fui criada para a felicidade e minha mãe (antevendo tudo) sempre deixou claro que para ser feliz eu preciso estar bem comigo e não, necessariamente, ter um companheiro. Se acontecer, ótimo. Maravilha! Se não acontecer, tenho condições de seguir em frente e ser feliz. Minha felicidade não está atrelada a um enlace matrimonial. A boa criação do meu filho independe da presença constante do pai dele. As mulheres aprenderam a lidar com as adversidades e sabiamente contorná-las.


Então, mulheres. Parabéns por essa data especial. Mas, principalmente, parabéns pela força, pela garra, pela determinação, pela perseverança, por todos os avanços, por tudo que conquistamos. Não vamos colocar tudo a perder. Ser mulher é uma dádiva! Esqueçam o trocadilho. Sorriam ao serem chamadas de MULHER e jamais aceitem (nem façam por onde) serem chamadas de algum termo pejorativo.

O texto de hoje atrasou porque, sendo mulher em tempos modernos, estou à frente de muitos afazeres... Mas o texto saiu, como sai tudo o que tem que sair, tudo o que eu me comprometo a fazer.

Parabéns para mim e para todas as Mulheres! 

Um comentário:

Das coisas que vejo e gosto. disse...

Oi Cinthya!

Parabéns pela força e garra!
Parabéns pelo dia!

Beijos

Selma