terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Um Príncipe Nada Tradicional

Era uma vez uma princesa que não acreditava em príncipe encantado...

Certo dia essa desacreditada princesa, viajou até uma província distante para assistir a um espetáculo épico, um duelo entre grandes gladiadores. Um dia antes da tão esperada batalha, a princesa que estava ansiosa por chegar o grande dia de apreciar de novo a tal batalha no coliseu dessa província, resolveu degustar as iguarias da localidade, estava acompanhada de mais 3 princesas.

Nesse passeio a princesa conheceu um príncipe, num encontro inusitado, esse príncipe estava longe do que se espera de um príncipe, dito isso de um ponto de vista convencional. Por não acreditar e por ter um ponto de vista diferente do imposto pelas leis do castelo, a princesa viu que ali estava um autêntico príncipe disfarçado de plebeu.

O  moço tinha gosto musical duvidoso, bebia cerveja, dançava de forma engraçada e promovia a gargalhada geral, falava pouco e encantava muito, não parava quieto e parecia ter mais disposição que as 4 princesas juntas, gostava de Bonde do Maluco, Trio da Huana e Black Style, tudo que a mocinha não apreciava, ou não se prendia a ouvir. Mas ela percebeu que ele era gentil, não como um Don Juan, era atencioso, mas era uma atenção despretenciosa, ela percebeu que ele era dedicado, mas não uma dedicação interessada como quem espera algo em troca. Ele era um cara legal!

Foi aí que ela percebeu que príncipes existem sim. Eles estão disfarçados de plebeu ao nosso redor, nós é que não vemos. Passamos batidas. Aprendeu que um conto de fadas pode durar um dia, uma hora, um encontro... Não importa o tempo que dure, o importante é que aconteça.

Conto de fadas é aquela história curtinha ou longa, mas que te tira do eixo e te joga nas nuvens,  te põe a pensar, faz com que você reveja seus conceitos em relação a determinados dogmas. Faz você viver uma situação e depois lembrar, lembrar e dar aquele sorriso de canto de boca com um ar de satisfação onde você pondera e chega a conclusão de que valeu à pena.

E foi assim nesse turbilhão de acontecimentos e história em tempos e localidades embaralhadas que a jovem viu que estava errada. Foi nessa mistura de história que ela conseguiu enxergar a sua própria história e ver que as coisas são bem mais bonitas e simples do que ela imaginara.

A princesa voltou para o sua província, o príncipe permaneceu na dele, disfarçado de plebeu, eles não se viram ou se falaram mais, e foram felizes para sempre...

E o duelo? Ah, o duelo foi fantástico! O gladiador que a princesa foi prestigiar não fez feio e conseguiu a vitória.

Verônica

10 comentários:

Van disse...

É como diz a música do Jota Quest "e que olhar só pra dentro é o maior desperdício, porque o amor, pode estar do seu lado..."

Penso sempre nisso e aconselho minhas amigas que ainda buscam seus príncipes a saberem observar mais as oportunidades que passam debaixo dos nossos olhos... e às vezes esses príncipes nos acometem mesmo quando menos esperamos ! Lindo texto. Adorei!!Grande Beijo!

O Divã Dellas disse...

Ai que bom!!!
ADORO bolo de casamento!!!
Cinthya

Olha Eu Aqui! disse...

Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm


Pena que foi descartada duas pessoas dessa historia, mas, ta valendo!!!!!! kkkkkkk

O Divã Dellas disse...

Vai ver, você aí que me lê, até já viveu um conto de fadas e nem sabe...

Verônica

PS: Cinthya, tú és uma brincante!

Ursula disse...

Sabe o que eu mais gostei na história? A princesa voltou pra cidade dela, o principe ficou onde estava mas mesmo assim eles foram felizes. Pq nós somos laranjas inteiras e podemos ser felizes onde quisermos. Adorei.
Gostei muito do blog.
Beijos
ursulaferraricoach.wordpress.com

Ana disse...

Meninas,
Sempre que leio o blog de vcs fico impressionada! Penso muito assim, muito mesmo, mas demorei bastante a perceber isso. Contos de fadas existem sim, mas não daquela forma que idealizamos, cada príncipe tem seu jeito, seu estilo e seu Q de príncipe (e de sapo também né?)
Muito legal que cada um viveu feliz para sempre (mesmo separados).

Ah! Tenho um livro que minha psicóloga recomendou que eu já li umas 6 vezes (sem exageros). O nome é "A princesa que acreditava em contos de fadas". Recomendo muito!!!
Beijos

Ana disse...

Ai ai!!! Não sei como dizer, mas estou louca pra dizer. Cinthya, vc lembra que escreveu no meu blog: "um 2011 cheio de LUZ, AMOR, PAZ, GRAVIDEZ!!!"

Pois é! Aconteceu e eu ainda estou meio paralisada! Comecei a escrever outro blog para tentar explicar o que estou sentindo: http://eugravidinha.blogspot.com/

Passem lá e deixem recados, tranquilizantes e a amizade de vcs!

Ps. Ainda nem divulguei para todos os amigos e nem quero que o pessoal do trabalho saiba (ainda não), mas desde que eu descobri comecei a colocar pra fora o que estava dentro da minha cabeça.

Beijos queridonas.

San disse...

Oi to atrasada hoje... rsrrs mas adorei o post , principalmente no item ... ela voltou e foi ser feliz na cidade dela e ele na dele ... temos que viver o momento bjs

Borboleta no Casulo disse...

Temos que aproveitar cada segundo de nossa vida e o bom é que forão felizes pra sempre mas longe e não se lamentam que acabou, pq eles devem ter curtido mt juntos!!
Bjsss

Anônimo disse...

eu tenho um príncipe plebeu =D kkkkkkkkk
e o texto ta massa viu!

bjoo

Vivian