quarta-feira, 27 de abril de 2011

"Mentes Tão Bem"


(by Cinthya)

A mentira é um pecado que todo mundo comete, não é mesmo? Uns em maiores proporções, outros em esporádicas situações. Mas, mais cedo ou mais tarde, a gente finda apelando para uma mentirazinha no intuito de tirar vantagem ou se sair bem em determinadas situações. Em verdade, a gente mente até pra gente mesmo (risos)!

E quem mente mais, o homem ou a mulher? Dá pra saber? Dá pra dosar? A ciência tem mesmo essa resposta? Bom, não sei e nem é esse o foco da explanação de hoje. Mas sei que a gente também finge que acredita em certas mentiras para tirar proveito de algumas coisas. Quantas vezes a gente vê que o namorado está mentindo, e finge que acredita só pra evitar uma confusão. Quantas meninas se envolvem com homem casado que finge ser solteiro e elas fingem que acreditam para não ‘perderem’ o partido que, afinal, lhes dá 'amor e alegrias'. Embora o cara nunca passe um final de semana com elas, nunca apareça em datas tipo Natal ou Reveillon, não atenda celular à noite, não as leve a um lugar muito freqüentado, ainda assim elas dizem: "ele é solteiro, ele nem usa aliança!" Enfim... É tudo tão óbvio! E no fundo a gente sabe que o cara é casado, mas... Fingir dá o direto de tirar proveito da situação e nos manter como vítimas (mas é bom saber que sempre vai existir um preço para isso).

Ela sabe que ele não estava estudando na noite passada, ela sabe que não se estuda em mesa de bar. Mas ele afirma que estava na casa do amigo, estudando para o concurso e  ela finge que acredita, afinal, é uma mentira boba e ele de fato estava com amigos (mas não estudando). E quantos “Eu Te Amo” são ditos por aí, só mesmo para garantir a “cama”, para garantir o perdão por um deslize cometido ou simplesmente para agradar a(o) parceira(o)!

Fingir que acredita pode ser jogo de cintura, uso da inteligência (para evitar desgastes desnecessários)? Mas a depender da intensidade e freqüência da mentira esse “faz de conta que eu acredito” não seria um sinal de falta de amor próprio e aí não teríamos um problema a ser resolvido? Tanta gente passa a vida toda fazendo de conta que acredita, metidas em relacionamentos falidos e  nem percebem que de vítima nada têm já que se agarram às mentiras para 'sobreviver'. Sustentam sorrisos e fazem a gente pensar que só nós é que somos infelizes no amor, pois brigamos, ficamos de mal e o vizinho, ao contrário, tá sempre de ''bem" com a esposa. 

Nem sempre dá pra fingir que acredita e compactuar da mentira, ok? Mas quer evitar um desgaste? Então mostra, de forma sutil, que percebeu a mentirinha, e que essa mentirinha era totalmente desnecessária. E assim, você não fica de boba e naõ cutuca uma briga.

A gente aceita uma farsa, faz de conta que acredita e sustenta isso por tanto tempo ao ponto de nem saber mais o que é ou não mentira e corre o risco de um dia cansar, desabar e ir cobrar do outro satisfação por ter mentido durante tanto tempo, por ter nos enganado, por ter nos feito de bobos. Mas... É tão vítima assim a pessoa que aceita a mentira em proveito próprio até o momento em que essa lhe faça bem? Tipo:  o cara mente que me ama e eu sei que ele mente, mas finjo que acredito porque ele é bom de cama, vou reclamar de que mais na frente? Foi uma mentira em mão dupla. Se ele mente e eu finjo que acredito, então os dois são mentirosos. A questão é que só vou querer enxergar essa verdade (ou essa mentira) quando a situação não estiver mais me fazendo bem.

Mentiras à parte, que se prevaleça o amor! E que sejamos todos felizes (de VERDADE)!


4 comentários:

Anônimo disse...

Quando eu era criança e mimha mãe me pegava na mentira dizia: " Quem mente rouba!".
Eu , na minha inocência de menina achava que quem mentia roubava algo( objetos ). Só quando cresci e fui vítima de mentiras é que entendi o sentido do "rouba" que ela falava. Já perdi as contas de quantas vezes me roubaram a confiança.
Selma

Ana Maria disse...

Talvez uma das mais importantes facetas da mentira é o uso de "máscaras". Quando vivemos uma vida mascarada corremos o risco de, um dia, sermos vistos sem ela. O resultado disso é imprevisível...

Mirys + Guigo + Nina disse...

Afê... assunto pesado! Vou ter que pensar a respeito...

Passei por aqui pra te convidar pra participar do mamarazzi week, na próxima semana, lá no Diário. E acabei lendo seu post... claro!

Você participa, desta vez?
http://diariodos3mosqueteiros.blogspot.com/2011/04/mamarazzi-week-preparem-se-diario-da.html

Bjos e bençãos.
Mirys

Anônimo disse...

Eu ficava com um moço da mesma faculdade que eu.. éramos vizinhos de sala! Como ele nao usava aliança, acreditava eu, que ele não era comprometido. Comecei a me decepcionar pelo fato de que ele sumia aos finais de semana e não atendia o cel quando eu ligava a noite... achei q o problema estava em mim, mas sequer desconfiei que ele poderia ter namorada! Quando descobri, ainda demorou para cair a ficha, pq eu não keria admitir para mim mesma q tinha permitido ser passada pra trás! Hoje, vejo o quanto fui cega, tentei avisar a namorada dele, que por fim também não acreditou em mim!!!!