terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Um Raio-X De Mim



Quando começamos a conversar eu jamais imaginei que aquela conversa iria tão longe. Não passou pela minha cabeça, nem por um um minuto sequer, que você me conhecesse tão bem. Nossa história foi breve e superficial (ao  menos pra mim, foi) e você se tornou "apenas" um amigo querido que poderia ocupar o papel de affair eventualmente.

Não sabia que seu conhecimento em mim era tão vasto e não imaginei que a descoberta disso cairia como uma bomba atômica com o poder de destruição que uma bomba nessa magnitude tem.

Fazer um raio-x de mim pode não ter significado nada pra você, mas ver alguém para quem doei tão pouco, traçar um mapa completo de cada pedaço meu foi desconcertante. Você conhece meu jeito, minhas frustrações (não sabe exatamente o que é, mas sabe que elas existem), conhece meu mecanismo de defesa (não os desarmou porque não quis), conhece o segredo dos cadeados que coloquei para proteger meu coração, retirou a minha máscara, desfez minha fantasia, revelou minha identidade, desvendou o meu mistério, matou a xarada, uniu cada peça desse imenso quebra-cabeça que minha vida sentimental se transformou e não fez absolutamente nada com essas informações.

Não foi uma conversa em tom de acusações, foram constatações e conforme meu itinerário ia sendo traçado as lágrimas iam rolando pelo meu rosto. Nossa conversa ficou inacabada porque não consegui te dizer o que queria. Meu nervosismo e surpresa eram tamanhos que a única coisa que eu conseguia era chorar. Acho que toda a mágoa represada dentro de mim desaguou nessa noite. Você acionou o detonador dessa bomba-relógio que eu guardava dentro de mim.

Você ter dormido nos braços de outra nessa mesma noite foi como uma punhalada no meu coração, eu sei que somos amigos e não rola nada entre nós há muito, mas o que me tocou foi a sinceridade das suas palavras. Depois de compartilharmos tanta intimidade você vai embora, deixando em mim apenas um mix de raiva, remorso, inveja e ciúmes.

Você escalou o muro alto que fiz para proteger meu coração, adentrou o terreno proíbido, conheceu o foco da minha dor e se foi. Simplesmente desdenhou da minha fragilidade. Como você ousa a ir tão fundo dentro de mim, como se atreve a ir tão longe e logo em seguida sair sem nem se despedir? Sequer enxugou as minhas lágrimas e tampouco me ofereceu seu ombro amigo. Isso não se faz.

Como é que você se atreve a me despir da armadura que fiz para me proteger, me viola, me desvenda, me desdobra, me abre completamente, fuça cada milímetro dentro de mim e depois vira as costas me deixando ali, sozinha, totalmente invadida e vulnerável?


Verônica

12 comentários:

Debby disse...

Nossa Verônica.
Perdi o folego completamente...
Lindo, lindo e me vi em cada cena por ter passado recentemente por algo parecido.
Parabéns vc escreve muito bem.

Ah obrigada pela visita no meu cantinho e respondi para vocês o seguinte:

OI meninas e como...
Nossa até hoje lembro da minha primeira lida na Myris.. e como chorei. depois ri. depois chorei. me emocionei.
Eles são uma lição de vida maravilhosa.
Se bem que existem outros cantinhos igualmente amorosos e emocionantes.
Vocês fazem parte dessa listinha
Bjs
Debby :)

rsrsr
Bjs de novooo
Debby :)

Antonio Rubilar B. Valente disse...

De tudo o que vejo e leio nessa minha viagem virtual de internet, entrando e saindo de sites,blogs, espaços e mais espaços(alguns "vazios" que nem se pode denominar de espaço)eis que encontrei UM que que me cativou e me tomou o precioso tempo.Devemos sempre ser assim na WEB...Transmitir algo de prazeroso e que nos faça refletir.Afinal,VIVER ainda é o melhor "donwload" que a nossa essência pode fazer.Um abraço amigo do BRASIL DA PENA, Rubi Valente.

Gislene disse...

Olá! é a primeira vez que tenho acesso ao blog de vcs, mas este texto, me identifiquei por inteiro. Adoro ler coisas desse tipo que mexem com os sentimentos e escrevo alguns textinhos também. lendo o perfil de vcs, me vi nas entrelinhas eu e minha Estrela, uma grande amiga que assim como vcs , nem o tempo, nem o cotidiano nos afastará... Somos grudadas pela mais pura e verdadeira amizade. vou virar leitora diaria deste blog maravilhoso.

Gislene Martins - Alagoas/Brasil

Poupée Amélie™ disse...

Às vezes, a gente se abre, fala, conta. Fica ali, vulnerável, exposta e o interlocutor sequer se dá conta do quanto estávamos nus naquele momento. Sensibilidade? Não é para todos! Bises.

ZilMar disse...

QUE SENTIMENTO ESTRANHO...NÃO É?

nos sentimos traidas...é assim mesmo...pq somos emoção...coração...eles razão...racionalidade...

e dói muito...enquanto eles...vão felizes....

meu abraço querida...

Zil

► JOTA ENE ◄ disse...

ººº
Gostei de visitar o vosso cantinho.

Beijoss

Winny Trindade disse...

E, como sempre, acaba-se em romance.

Abraço meu.

San disse...

Linnnnnnnnndo texto , tambem sou assim me visto de uma armadura , para me proteger , e as vezes me pego me perguntando me proteger de quem mesmo? as vezes de mim , isso que é duro.Amei o texto e obrigada pela sua visita no seul bjs

Ana Carolina disse...

Adorei!! Parabéns!

O Divã Dellas disse...

Agradeço pelas palavras de carinho! Um beijo para as fofas que sempre estão aqui conosco e desejo que os novatos sejam bem-vindo e voltem sempre!!!


Verônica

Amélie Poulain disse...

Lindíssimo texto!!!!!!

Flávia Flores disse...

apaixonei nesse texto...
vivi isso recentemente...
só que a pessoa em questão desarmou meu mecanismo de defesa e estamos namorando agora (rsrs)...
tenho até medo de tanto que ele me conhece!