sexta-feira, 27 de julho de 2012

A Vigança




(by Cinthya)

Quantas e quantas vezes a gente se pega maquinando algo maléfico para dar o troco em alguém que um dia nos fez um mal terrível! Quantas e quantas vezes sentimos o corpo todo entrar em adrenalina quando a raiva invade nosso cérebro e descarrega ondas agitadas que em nada nos faz bem. Aliás, O BEM é algo que some de nossas memórias quando abrimos brecha para rancores e desejo de vingança.
Todo mundo traz feridas em seu íntimo, saradas, cicatrizadas ou ainda abertas, não importa. Em algum dia, alguém abriu uma ferida em nós e desencadeou um mundo de mágoas, dores, lamentos e desejo de vingança. É quase impossível não desejar o mal a quem o mal nos fez. É até natural enviar energias negativas sempre que o fato vier à memória. E isso é ruim demais, ruim para quem recebe as energias e ruim para quem as emite.
Só tem desejo de vingança quem permanece no passado, acorrentado aos momentos de dor. Quem continua dia após dia cutucando a ferida aberta, ainda que arda, ainda que sangre, dia a dia, se mexe nela e ela não sara. Só alimenta o desejo de vingança quem não quer sarar do mal, quem não quer enxergar a possibilidade de dias melhores, mais amenos e serenos.
Existe sempre uma opção, indiferente da dor que se sinta, indiferente do tamanho da vingança que se planeje, independente do tamanho da árvore do ódio que está crescendo dentro de você.  Existe sempre uma outra opção e essa abre horizontes mais extensos e mais coloridos. Mais suaves, mais alegres, mais cheios de vida.
A cada um cabe a escolha de seguir a vida, pisar na estrada e recomeçar com novas finalidades, novos sentimentos e sonhos ou continuar com os pés afundados na lama do ódio e ver tudo perder a cor ao seu redor, ver seu próprio corpo se petrificar e suas feridas continuarem abertas, numa dor incessante. Sem falar que praticar a vingança vai colocar você no mesmo patamar do seu algoz. Serão iguais na maldade. A vingança anula qualquer condição de vítima que pudesse existir.
A solução é simples, muito mais simples do que se pode imaginar: basta querer. Dê o primeiro passo e não alimente mais essa corrente negativa que te prende a quem te fez o mal. Alimenta outros tipos de pensamento, abre os olhos para outras pessoas, povoa a mente com outros desejos. Se permita viver de outra forma. A vida vai passando, as oportunidades vão surgindo e inúmeras pessoas esperam para cruzar o seu caminho. Abra as portas da sua vida para a felicidade entrar. O que passou é passado e é sempre nos dada a chance do recomeço.
E, para quem nos deseja o mal, a gente deixa a dica: senta e observa como é que se faz pra ser feliz! 

Um comentário:

Das coisas que vejo e gosto. disse...

Oi Cinthya!
Grandes verdades você postou. Adorei o texto.
O tempo se encarregada das coisas e a nós cabe aproveitar da melhor maneira o tempo que ainda nos resta. Remoer e viver remoendo o passado é perda de tempo e energia.
Beijos,
Selma.