sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Sua Vida Precisa De Você!


(by Cinthya)
Gente e como é gostoso executar com as nossas próprias mãos as tarefas da nossa vida... Quantas vezes compramos as coisas feitas, prontas, acabadas apenas por comodismo ou pela velha justificativa de “falta de tempo”. Quantas vezes entramos na loja em busca de sonhos embalados em papel de presente, ali expostos na prateleira prontos para serem vividos. Buscamos prazer exposto na vitrine apenas esperando que a gente passe o cartão de crédito. Quantas crises de identidade, crises de relacionamento, crises emocionais (crises de toda e qualquer natureza) são “curadas” com o “Volte Sempre” pronunciado pelos operadores de caixa das lojas de roupas dos shoppings por aí afora.
A gente não tem mais paciência para nada. Não temos mais paciência para viver, não temos mais paciência para amar. Entender o outro é algo totalmente fora de cogitação, afinal o tempo corre (rápido demais). Tarefa escolar do filho? Tirar dúvidas sobre determinada matéria da escola? Aula de banca é a solução. Paga-se uma terceira pessoa para cumprir com o papel que os pais não cumprem por estarem sempre muito apressados e sem tempo para nada.
Lembro de algumas festas de aniversário que fui com o meu filho e fiquei a observar as outras famílias. Os pais vão com os filhos e levam a babá. Então ficam sentados à mesa com os amigos e as babás com as crianças no parque ou correndo pela festa. Até nisso a gente acha mais prático pagar uma pessoa para cumprir o dever de dar atenção e participar da vida de nossas crianças. Eu vou pra festinha para me divertir com o meu filho, no mundo dele e depois a gente senta, come, conversa, dança e ri muito. E isso é tão gostoso, nos aproxima tanto, dá vida à relação Mãe & Filho. Não digo que é errado ter uma babá (é bem necessário). Apenas atento para os laços que a gente não firma com os filhos porque não temos tempo para dedicar a eles, porque correr no parque cansa, porque criança chorando é chato, porque dominar as manhas deles é trabalhoso. E a gente finda pagando alguém para fazer isso por nós.
Uma professora da faculdade me fez chorar contanto que certa vez estava trabalhando e recebeu uma ligação da babá do seu filho dizendo que a criança tinha caído e se machucado e que estavam indo para o hospital. A professora saiu louca pra lá e quando chegou o médico estava terminando o atendimento. O menino chorava muito e quando o médico terminou de atendê-lo a professora foi apanhá-lo no colo e ele se esquivou e pediu o colo da babá e ficou abraçado ao pescoço da babá pedindo que ela curasse o dodói dele. A professora disse que lhe faltou o chão naquele momento e chorou o dia e a noite e depois daquele episódio ela repensou a relação com os filhos.
A gente se acostumou tanto a pagar pra ter tudo pronto que se não temos dinheiro suficiente para comprar o ‘pronto’, simplesmente não executamos o plano. Não nos passa pela cabeça comprar o que der pra comprar e fazermos nós mesmos o serviço. No ano que eu pude, encomendei uma baita festa pro meu filho. Apenas chegamos ao local e estava tudo pronto. Tudo muito bonito (o ego da mãe vai lá nas alturas... eu sei, eu sei!). No ano que não pude, comprei o material e fiz eu mesma as lembranças, os enfeites, enchi os balões, fiz os doces e creiam, nos divertimos muito mais na segunda opção. O meu filho participou de tudo, e disse pros amiguinhos: “Minha mãe fez toda a minha festinha. Minha festa ficou linda!”. Para ele, não é o glamour da ornamentação que importa. Ele enxergou "além" porque ainda é uma criança e as crianças são puras, sábias e felizes.
Confeccionar sonhos é tão prazeroso, vê-los sendo moldados pelas nossas próprias mãos e sentindo todo o nosso amor sendo depositado ali dá uma sensação de alegria, de sentido, de se sentir vivo. Vamos meter a mão na massa e moldar a nossa vida ao nosso jeito, tirando daqui, colocando ali, mas sempre participando, construindo, vivendo, enfim... Se puder unir "$" no bolso e vida bem vivida, ótimo. Se não tiver como unir os dois, vamos sendo felizes do jeito que dá. O que não podemos é fazer de nossas vidas um livro de rascunhos rabiscados às pressas (que nem a gente mesmo consegue ler depois) e contendo 'algumas muitas' páginas em branco (pelo simples fato de o autor não ter tido tempo de escrever nelas). Vamos viver de verdade, interagir com nosso destino. Isso não há cartão de crédito que pague e a nossa vida precisa, urgentemente, da nossa presença!

PS: Foto retirada do site www.olhares.com

10 comentários:

Zil Mar disse...

Ai que texto verdadeiro!!!!!

Parabéns!!!!

concordo com tudo que vc escreveu!

grande bjo!

Zil

Van disse...

Exatamente ! Em um post meu de meses atrás disse sobre minha opção de ter filhos. Quero tê-los , mas apenas quando estiver podendo me dedicar a eles. Fico triste quando em plena manhã de sábado de sol vejo babás passeando com as crianças. Sei que são muito necessárias , mas se os pais não têm tempo de curtir uma única manhã de sol no parque ao lado de seus filhos, qual o sentido de tê-los , então ? O que é mais importante na vida do que criar seu filho ? O trabalho ? O dinheiro ? As recompensas financeiras e materiais suplantam um amor filial e eterno ? Não sei...porque acho que meus valores e minhas prioridades são outras. Sei que estou me reestruturando totalmente em um projeto de carreira agora para depois poder me dedicar a um outro projeto bem mais importante : família ! Esse sim , tem um valor inestimável em meu coração e o que faço hoje é pensando nesse sonho de amanhã ! Grande Beijo.

Borboleta no Casulo disse...

Não queria estar na pele na tua professora.
Mts vezes queremos ter uma vida boa e dar p as pessoas q amamos o bom e o melhor e esquecemos das coisas mais simples da vida.
Bjsss

Nadilma Nascimento disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
'Nathiii* disse...

Que bacana. A gente tem mania de esperar que as coisas aconteçam, sem correr atrás, sem se esforçar pra ter. Me fez refletir um monte de coisa. Adorei esse texto !

Vanessa disse...

Olha, é realmente complicado. Meu filho é apegado á mim, mas resolvi abrir mão de quase 4 anos me dedicando só á ele. Estou numa situação profissional bem inferior de outras amigas minhas, mas não me arrependo, vou atrás do "prejuízo" material, mas com meu filho no colo. A vida é feita de escolhas, mas sempre erramos tentando acertar. Viver devia ser mais fácil, não é?

Gde beijo,

Vã.

Carla disse...

Que texto super verdadeiro.
Eu sempre digo que os problemas ou soluções que temos em nossa vida nós mesmos que criamos. Por isso qualquer atitude deve ser muito bem pensada e pesada. O que vale mais a pena e qual é o seu momento.

Adorei o texto.

Beijo Cynthia !

Marisa Passos disse...

Ainda n sou mãe, pretendo formar uma familia, e confesso que penso muito nessa questão, a gente tá sempre correndo atrás de dar o melhor para o nosso filho, e esquecemos do que n precisamos pagar para ofecer. Beijos meninas, ótimo final de semana.

Ursula disse...

Cinthya, que texto maravilhoso, gostoso de ler. Sim, no mundo de hj não temos mais paciencia pra nada, tudo é imediato. A gente sofre de ansiedade. Não curtimos a vida, os pequenos detalhes. Essa história da baba é assim mesmo como vc falou. Baba é necessario quando a mãe trabalha e não tem com quem deixar, mas nas horas livres a baba pode ir descansar.
Beijos querida
ursulaferraricoach.wordpress.com

Anônimo disse...

Cinthya...adoro seus textos..são reais, autenticos e td de bom!

Bjs

Sandra/Marisandra