terça-feira, 30 de outubro de 2012

Diferenças e Cobranças





Eu nunca concordei com a máxima que diz que "Os opostos se atraem." Sempre achei isso fora de conexão. Nunca consegui entender o que levaria duas pessoas que nada têm em comum sentirem-se atraídas. Tá bom, talvez a química, mas só isso não é o bastante. Uma hora a chama diminui e as diferenças passam a pesar e muito.

Nos dias atuais, onde a praticidade é uma aliada, até nos relacionamento amorosos, vejo que, quanto mais as diferenças se acentuam, mais os grupos se formam, as pessoas semelhantes se aproximam. É a lógica. Casais se formam a partir dos grupos sociais a que pertencem.

Vida de estudante universitária não é nada, nada fácil. Quanto mais os semestres avançam, mais informações recebemos e temos de processá-las e menos tempo nos sobra para as demais coisas. Chega uma hora que a escolha é inevitável. Ou a vida social, ou os estudos. Ou os amigos, ou os estudos, ou os passeios e viagens com o namorado, ou os estudos. E não é exagero não. É assim mesmo!

Não dá pra sair num sábado a noite pra jogar conversa fora e se divertir com os amigos e levar aquela apostila que você precisa devorar. Não dá pra viajar com o namorado e levar aquele livro pra "ler nas horas vagas" não existe horas vaga, o tempo tem de ser dedicado a ele. Se estão lá é pra curtir o momento.

Por isso a afirmação do inicio do post. Os semelhantes se atraem, e não os opostos. Se o namorado também está estudando, vai estar envolvido em suas atividades e vai entender a falta de tempo da namorada. Se o marido também é estudante, ou já se formou entende as dificuldades da esposa porque passa ou já passou pelas mesmas dificuldades. Se a namorada só terminou o segundo grau e nunca teve que enfrentar uma batalha que é o ensino superior é óbvio que ela nunca vai entender as dificuldades do namorado em conciliar as duas coisas: namoro e estudos.

Quando criança eu sonhava em casar com um médico, depois de adulta percebei que médicos devem-se casar com médicas, assistentes sociais ou enfermeiras. Como optei pela contabibilidade e não pela medicina, é muito provável que me case com um contador. Advogados e advogadas casam-se com colegas da área jurídica e assim por diante. Acho muito pouco provável que eu, antes do entendimento que tenho hoje, aceitaria casar com um contador que trabalha 16 horas por dia. Certamente, acharia inimaginável. Hoje, vivendo a realidade vejo como é possível, provável a aceitável uma profissão exigir tanto de uma pessoa.

A moral da história, pelo menos pra mim, é que pra um relacionamento dar certo é mais que necessário que nos coloquemos no lugar do outro e entendamos as dificuldades dele, ou pelo menos, tentemos. Hoje, mais do que nunca para fazer um relacionamento dar certo é necessário muita paciência, sabedoria e compreensão.

Verônica

9 comentários:

Lucivânia disse...

Sábia palavras de Verônica Monteiro. Gostei do texto como um todo, mas, o último parágrafo me tocou de maneira especial. Realmente, o tripé paciência/ sabedoria/ compreensão são fundamentais para que o amor e a relação mantenham-se estáveis.

O Divã Dellas disse...

Muita gente pensa q só o amor, só o fogo, a paixão conseguem, por si só manter a relação. Para se amar de verdade é necessário que se tenha muita paciência.

O inevitável entre as pessoas muito diferentes é que uma hora as diferenças pesam, as cobranças vêm e tudo, TUDO vira motivo de briga.

Beijos, amiga!!!

Obrigada pela visita!


Verônica

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Verônica, independentemente de tudo, acho que para um relacionamento dar certo voc:e mesmo escreveu:

"A moral da história, pelo menos pra mim, é que pra um relacionamento dar certo é mais que necessário que nos coloquemos no lugar do outro e entendamos as dificuldades dele e compartilhemos sentindo sempre vontade de ajudar e lutar pelo sucesso da nossa relação".

O resto varia de pessoa para pessoa e de gênios para gênios. Uns mais assentados e outros menos.
Muito boa essa postagem.
Manoel

Beatriz Paulistana disse...

Boa tarde meninas!!!
Primeiramente vim agradecer ao comentário deixado a alguns dias no nosso blog: Clube Das Amigas Leitoras. Peço desculpas pela demora, mas andava sem net. Bem agora voltei e amei conhecer esse cantinho tão especial.
Adorei o texto.
Sou feliz por ter achado a minha outra metade e nos darmos tão bem. (Achado não, rsrsrs, ele chegou do nada...tem até um texto no meu blog) Depois passem por lá. Serão sempre muito bem vindas!!!
Espero nos vermos novamente.
Que Deus as abençoe sempre!!!
Bjokas...da Bia!!!
http://pequenosgrandespensantes.blogspot.com.br/

O Divã Dellas disse...

Manoel, como sempre muito bem colocado. Gostei do arremate que você fez e não posso deixar de concordar.

Obrigada, mais uma vez!!

Abraço!


Bia, agradeça a DEUS pela sua benção!! Valorize seu relacionamento e faça valer a pena. Obrigada pelas palavras carinhosas e pela visita em retribuição e saiba que estaremos sempre sempre por lá! Beijão!!

Verônica

sérgio figueiredo disse...

Verônica,
Belo texto a convidar para reflectir. O tema é... sério e pertinente.
Na minha modesta opinião, a base para o bom entendimento entre as pessoas está na compreensão, no saber aceitar. Fundamentalmente, no saber colocar-se no lugar do outro sem, contudo, deixar de preservar os seus próprios princípios.
Por vezes é uma questão de "adaptação" face à nova condição de vida... a conjugal.
Existindo amor um pelo outro, tudo se torna mais fácil no principio mas... o tempo faz-nos recordar hábitos antigos e o desejo aclara-se...
numa relação a dois, não se pode estranhar, apenas requer sabedoria em: um, saber aceitar e "envolver-se" no hábito do parceiro que, por sua vez, terá a sabedoria de, não perdendo o antigo hábito, o viverá com a atenção para não ferir o respeito pelo outro.
É um tema muito interessante, e importante, mas que daria muitas palavras para o discutir. A relação conjugal é muito sensível. Requer ser vivida de uma forma muito natural mas com muita cultura de sentimento, em vários aspectos.

BJ...nho

Mário Pires disse...

Corre no mundo o pensamento: "O que mantem um relacionamento não é somente o amor. Mas também a maneira de se relacionar". Que haja amor, paciência, parceria, compreenção. ;) Valeu Vê!

O Divã Dellas disse...

Sérgio, numa era de egoísmo que estamos vivendo, onde a individualidade se alastra na velocidade da luz, há de se querer muito fazer dar certo para se ter êxito. O desejo pelo sucesso do relacionamento precisa ser muito grande. Possível é, posto que o amor ainda resiste a muita coisa, até ao individualismo exacerbado, mas não é fácil.
Eu, sinceramente, me sinto cansada e não sei se, hoje, teria forças e jogo-de-cintura para conciliar as duas coisas. Prefiro não ter q escolher, caso precise, optarei pelo que exigir de mim menos esforços.
Grande abraço e obrigada pela colaboração.

Meu amigo Mário, concordo com o pensamento. Para amar, é necessário muita paciência.

Beijão!


Verônica

Gerson disse...

Concordo com o texto. Acho até que aqueles não se permitem fazer tal reflexão podem vir sofrer as consequências de um relacionamento equivocadamente iniciado. Sábias palavras!