segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Não Aceito o Seu Pré-Conceito!


(by Cinthya)

Um dos sentimentos mais desnecessários do ser humano chama-se “preconceito”. Olhar para o outro e sentir menosprezo por algo que ele use, fale ou seja. Sentir-se superior a alguém, sentir-se maior e mais importante pelo simples motivo desse alguém levantar uma bandeira na qual você não acredita, é algo desprezível.

Existem inúmeras coisas que provam que não há porque alimentar essa sensação de superioridade em relação a outra pessoa. A morte é uma delas. Indiferente da situação financeira, independente da crença, indiferente da cor, da opção sexual, de estar ou não empregado, todos, inevitavelmente TODOS um dia morrerão e isso não muda, por mais que se queira, por mais que se acredite merecer. Não adianta, esse é um fim que chegará para todos. Porque todos são iguais e ninguém, até onde eu sei, mereceu a imortalidade.

O preconceito é triste, é cinza, é podre. Alimentar isso é andar pra trás na estrada da evolução. Não precisa gostar do que o outro gosta, não precisa usar o que o outro usa, ou acreditar no que o outro acredita. O outro é o outro. E pela lei natural das coisas somente as minhas coisas dizem respeito a mim. A vida do outro não está inserida nesse contexto. E eu, sinceramente, não consigo entender porque isso não é claro na cabeça de todo mundo.

Eu não sei quantos de vocês já sofreram algum tipo de preconceito, não sei quantos já sentiu um par de olhos (ou vários pares) lhe mirando com uma superioridade que, na verdade, anda longe de existir. Não sei. Mas sei que basta você estar inserida num contexto não convencional para que surjam em sua frente milhares de pessoas ostentando olhares e poses de superioridade e tentando fazer você acreditar que, na verdade, você é menor do que eles.

A minha condição de mãe solteira costuma atrair esses olhares. E acho quase inacreditável que com tanta modernidade, com tanta tecnologia, com tanto avanço em tantas áreas as mentes se mantenham fincadas num passado muito distante. Como se a evolução se restringisse às máquinas apenas. Como se as pessoas e os comportamentos não acompanhassem o ritmo acelerado de tudo.

Então senhores e senhoras que optaram por um padrão “normal” de família, não pensem que me intimidam com a sua postura superior. Se acreditam que sou diferente de vocês, saibam que realmente eu sou. A diferença é que eu, sozinha, educo o meu filho, crio o meu filho, regro o meu filho, imponho limites e ao mesmo tempo dou amor, dou carinho, dou proteção. Como dizem por aí, eu mato um leão por dia para não perder o rumo das coisas.

Trabalho honestamente, mantenho minha forma e minha beleza, luto com unhas e dentes para não me render ao sistema, corro contra o tempo para dar de conta de todas as tarefas de mãe, funcionária, amiga, blogueira, artesã. E em todas essas coisas eu deposito o melhor de mim e cada espaço que conquisto, faço com o meu talento.

Levei muita surra pelo caminho, mas não perdi o encanto pela vida, não deixei que apagassem as cores do meu arco-íris e nem o azul do meu céu. Passei por muitos ventos, mas as flores do meu jardim continuaram aqui a perfumar a minha alma sedenta de vida.

Eu sei o duro que dou para ser a pessoa que eu escolhi ser. Eu sei o preço que pago por fazer parte da parcela diferenciada do todo. Não aceito preconceito, até porque sou eu que me sustento.

Então se alguém quiser me lançar um olhar diferenciado, que seja de admiração. Outra coisa eu não aceito.

9 comentários:

sérgio figueiredo disse...

Cinthya, Bom Dia (deste lado do Oceano).

ora aqui está um tema de enorme interesse, mas de grande pertinência para a opinião... "Preconceito".

começando por dizer, muito diretamente e, de imediato... não sou fã do "preconceito"...!!
não alimento com a razão todos aqueles que se dão ao prazer de "julgar" os outros pelas suas opções de vida, e outras.
o "preconceito", assumo, é uma atitude muito difícil de desalojar da mente de quem com ele convive e faz dele um modo de vida. digo, sem "preconceito"... não é bonito...!!
todos somos iguais e todos somos diferentes, agora... todos temos de entender que a vida que escolhemos e nos perfila com a nossa realização pessoal... só a nós pertence, seja ela bonita, ou menos bonita, para os outros.
convençam-se disto... cada um tem o direito de caminhar pelo caminho que escolheu...!!

dou muito valor a uma mãe solteira...!! admiro, e serve-me de exemplo, a sua força de viver (enfrentando dificuldades do quotidiano, redobradas) sua dedicação, o seu amor e, acima de tudo... sem "preconceito"...!!

Parabéns por este post.

bj...nho (deste lado do Oceano)

sérgio figueiredo disse...

esqueci de dizer...

não valorizo, não dou atenção à dita "superioridade" dos outros movidos pela presunção e "preconceito"...!!

bj...nho

Das coisas que vejo e gosto. disse...

É isso aí!

Apoiada!!!

Beijos

Selma

O Divã Dellas disse...

Selma, obrigada pelo apoio. Sempre, obrigada!


Sergio, a gente tem que se auto disciplinar para eliminar todo e qualquer preconceito que exista. Ninguém merece ser vitima dele. Ninguém. Beijos e volte sempre.


Cinthya

Jane Quintela de Carvalho disse...

Oi...
Muito bem escrito e estas tuas palavras são verdadeiras, ninguém sabe o que o outro vive, o que o outro passa... como diz Csaetano Veloso "cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é"... e respeito aos outros é fundamental em qualquer época, em qualquer lugar... beijosss!!!

O Divã Dellas disse...

É Jane... Eu adoro esse trecho do Caetano. Adoro. Um grande abraço, Cinthya

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Cinthya, brilhante a sua postagem.
Eu ainda acho que em nosso país, a grande maioria é livre de preconceitos. Observe como a maioria das pessoas convive numa fraternidade legal e se ajuda quando aparece uma catástrofe ou coisa parecida. Tivemos aqui no Vale do Paraíba a praticamente destruição da cidade de São Luiz do Paraitinga. Cidade com poucos recursos e população muito pobre. Não vou contar a história inteira, mas o pessoal recebeu caminhões de roupas, comida, produtos de limpeza e tudo o mais. Em um ano, com a ajuda da população das cidades vizinhas, a cidade foi reconstruida.
Isso acontece porque as coisas boas ou ruins só existem dentro dos nossos corações. Se alguém me olha diferente ou tem algum preconceito para comigo, não me afeta em nada se eu percebo que aquilo não me atinge. Aquela atitude está dentro do coração do preconceituoso e não é possível que alguém possa ser feliz pensando dessa maneira. O caminho nos ensina o "Amai-vos uns aos outros" como a melhor opção para sermos felizes. Estamos aqui nesse mundo para servir. Como servir se só consigo "disputar"?
A escolha é nossa. A felicidade e a fraternidade estão aí. É só aderir e abrir o coração para a vida.
Grande abraço
Manoel

Iziel disse...

Muito legal o post como sempre. O nosso blog recebeu o Selo Versatile Blogger, dedicado a blogs que falam de assuntos diversos. Como sempre leio seu blog e seus assuntos são bastante interessantes estou te dando esse selo também, espero que vocês gostem. Mil beijos. http://izielalbuquerque.blogspot.com.br/2012/10/como-e-bom-um-presente-inesperado-selo.html

O Divã Dellas disse...

Manoel, de fato o preconceito habita o coração do preconceituoso e bom seria se esse e apenas esse sofresse com tal sentimento. Mas ainda encontramos muitos corações preconceituosos que abrem a porta para esse fel atingir outras pessoas. Infelizmente. Acredito que chegará um dia em que isso será passado. Afinal, nascemos todos da mesma essência. Abraço.


Iziel, saudade de você aqui... Obrigada, muito obrigada pelo selo. Beijos grande!


Cinthya